(Fonte da imagem: Thinkstock)

Está cada vez mais difícil para as sedentárias fugirem da malhação. O TodaEla já mostrou que é possível treinar sem sair de casa e agora novas pesquisas devem acabar com a desculpa da falta de tempo.

Especialistas da Universidade do Arizona descobriram que dividir os 30 minutos de exercício físico diário recomendados pelos médicos em três sessões de 10 minutos traz tantos benefícios ao corpo quanto malhar continuamente, em apenas um período. O segredo está em treinar com pelo menos um pouco de intensidade para que o corpo agradeça.

estudo publicado neste mês submeteu os participantes a duas situações: eles deveriam fazer três sessões de 10 minutos de exercícios e um período contínuo de malhação durante 30 minutos. Os dois grupos eram formados por voluntários sedentários e com pressão alta. Ao fim, aqueles que fracionaram os treinos tiveram uma redução mais significativa da pressão sanguínea e menos picos de pressão alta em relação aos demais.

E colocar a pesquisa em prática é fácil: para conseguir atingir 10 minutos de exercício moderado em três períodos, basta fazer algumas mudanças no dia a dia, como descer um ou dois pontos de ônibus antes do trabalho, dispensar o uso do elevador e ir ao mercado a pé.

Vale lembrar que a intenção dos médicos não é desestimular aqueles que já praticam exercícios físicos continuamente, mas sim, fazer com que os sedentários convictos também façam a sua parte pelo bem-estar.

5 minutos de exercícios: faz diferença?

Um estudo publicado em outubro de 2011 pode estimular ainda mais os sedentários a sair do sofá, nem que seja por apenas cinco minutos. Os pesquisadores da Queen’s University, em Ontário, no Canadá, descobriram que basta esse tempo de prática de exercícios, por várias vezes ao dia, para que o organismo desfrute os benefícios.

O estudo foi feito com a participação de 2.754 crianças e adolescentes com idade entre seis e 19 anos, que ao malhar de forma fracionada ao longo do dia, tiveram redução dos riscos cardíacos de crianças e adolescentes.

Assim, não dá para duvidar que pouco tempo de malhação já é suficiente para o corpo se sentir melhor.

Via TodaEla