6 ferramentas médicas que assustam os visitantes de museus
85
Compartilhamentos

6 ferramentas médicas que assustam os visitantes de museus

Último Vídeo

Como você já deve imaginar, a Medicina nem sempre foi uma área bem desenvolvida da ciência, de modo que ela já recorreu a métodos de tratamentos um tanto quanto torturantes — e alguns deles nem sempre alcançavam o resultado esperado.

Por conta disso, muitas pessoas que viveram nos séculos passados acabaram sentindo muita dor quando foram ao médico, já que os profissionais da época utilizam ferramentas bem estranhas para tratar os seus pacientes.

Pensando nisso, o Tecmundo selecionou seis ferramentas médicas bizarras e que já assustaram muita gente. E, depois que você conhecê-las, é bem provável que você fique muito feliz de saber que elas só existem em museus.

1. Curando a varíola

Fonte da imagem: Reprodução/Mentalfloss

Hoje em dia, no caso de você pegar varíola, o tratamento geralmente é feito com medicamentos e repouso. No entanto, a situação nem sempre foi assim. No fim do século XVIII, existia uma ferramenta chamada The Mallam Scarificator.

Esse utensílio era utilizado em crianças já contaminadas pela varíola, sendo que você deveria cravar as quatro lâminas do objeto nas pústulas do doente e girá-las — sim, cortando o corpo do paciente e com o bônus do método não ser totalmente confiável.

2. Um parto nada fácil

Fonte da imagem: Reprodução/Mentalfloss

No começo do século XVIII, dar a luz a um bebê não era algo simples de se fazer, sendo que a mãe passava por dores torturantes. Em uma tentativa de ajudar as mulheres a passarem por essa situação de uma maneira mais rápida, a Miraculosa Cadeira de Palermo foi criada.

Nela, a grávida se apoiava com as pernas quase que completamente abertas e a parteira tentava ajudar o bebê a sair através de uma abertura no “banco”. O problema é que a mãe precisava se esforçar demais em uma posição desconfortável e ter alguém forçando a criança a sair causava dores excruciantes — ou seja, desmaiar chegava a ser algo bom.

3. Sífilis e as suas consequências

Fonte da imagem: Reprodução/Mentalfloss

Se você não conhece a sífilis, saiba que ela é uma doença sexualmente transmissível, que pode se alojar no pênis e o tratamento para ela era extremamente doloroso em 1545. O problema é que a higiene não era algo muito comum na época, de forma que vários marinheiros acabavam com esse “probleminha”.

Para tratar os doentes, os médicos da época utilizam uma seringa para injetar mercúrio diretamente no órgão masculino. Como a agulha não era fina e a região de aplicação é bastante sensível, os homens da época passavam por uma agonia enorme durante o tratamento — e, para “melhorar”, o mercúrio é tóxico.

4. Excesso de sangue

Fonte da imagem: Reprodução/Mentalfloss

Houve uma época em que as pessoas poderiam ser diagnosticadas com excesso de sangue. E, para que o organismo dela pudesse entrar em harmonia de novo, era necessário lancetar as veias para que o sangramento tratasse a pessoa.

Apesar de parecer algo simples, o processo médico acontecia com lâminas nada finas e sensíveis, como você pode conferir na imagem acima. Depois de um tempo, este método saiu de moda, poupando muita gente de morrer por hemorragia ou outras complicações.

5. Tratamento do demônio

Fonte da imagem: Reprodução/Mentalfloss

No século XVII, a epilepsia era considerada uma doença proveniente de demônios — e não um distúrbio neurológico, como já se sabe hoje em dia. Por conta disso, quem sofresse dessa doença, precisava passar por um tratamento chamado Trepanação.

Essa atividade consistia em abrir um buraco na cabeça do doente para que os demônios saíssem, sendo que o processo para que isso acontecesse não era nada delicado. E lógico que a pessoa sentia muita dor e acabava tendo sérias complicações por conta do “ferimento”.

6. Medo de dentistas

Fonte da imagem:Reprodução/Mentalfloss

Se você parar para pensar, não há grandes motivos para que alguém tenha medo de ir ao dentista nos dias de hoje, afinal de contas, há anestesia para quase tudo e os tratamentos são minimamente invasivos.

Acontece que a má fama dos dentistas vem de tratamentos antigos, como o que era usado na década de 1860 para tratar as cáries. O objeto que você pode ver acima segurava o seu dente com as lâminas e a broca ia perfurando para retirar a doença. Será que era dolorido?

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.