Conheça 5 ingredientes bizarros que foram usados como afrodisíacos
50
Compartilhamentos

Conheça 5 ingredientes bizarros que foram usados como afrodisíacos

Último Vídeo

Anteriormente, publicamos um artigo que explica como os afrodisíacos funcionam no organismo e quais são os principais alimentos que têm essa função. Se você perdeu essa matéria, não deixe de conferir clicando aqui. Lá, mostramos que ingredientes como ostras, manjericão e até mesmo bananas podem dar uma forcinha entre quatro paredes.

Mas o que você verá abaixo é muito diferente de quaisquer produtos que podem ser facilmente encontrados em feiras ou supermercados. Em busca da cura para a impotência ou de uma performance incrível sob os lençóis, as pessoas provaram – e até os dias de hoje recorrem a esses meios – opções raras de serem encontradas, com um alto preço e até mesmo potencialmente venenosas.

Confira cada um dos afrodisíacos e nos conte nos comentários se você acha que vale a pena testar opções um tanto quanto duvidosas na tentativa de apimentar a vida a dois.

Âmbar cinza

Fonte da imagem: Reprodução/The Word According to Peter

Se dissessem para você que o remédio para a impotência e a melhora do desempenho sexual está na secreção cerosa – que mistura gorduras e outros elementos não digeridos – de um cachalote e ainda tem odor de fezes quando fresco, você provaria?

Pois saiba que o âmbar cinza foi um dos afrodisíacos mais utilizados na História, sendo tradicionalmente consumido com açúcar ou misturado com álcool. O ingrediente se forma no intestino do animal – que é um dos maiores cetáceos que existem, podendo chegar a 18 metros de comprimento – e não se sabe ao certo como o cachalote expele a secreção na água.

Inicialmente com um cheiro fétido, o material vai melhorando com o passar do tempo de acordo com o contato com a água, o ar e o sol. Tanto que sua fragrância passa a ser apreciada depois de muitos anos. Prova disso é a perfumaria, que utilizou o ingrediente durante muito tempo para aumentar a fixação e acentuar a fragrância de seus produtos.

Por sua raridade, o âmbar cinza alcança preços altíssimos no mercado. Segundo o Business Week, um grama do ingrediente podia chegar a custar 20 dólares em 2012, ou seja, o equivalente a mais de 45 reais. Isso significa que um quilo do produto vale cerca de 45 mil reais. Com a proibição da caça aos cachalotes, o ingrediente se tornou ainda mais difícil de encontrar e precisou ser substituído na perfumaria.

Chifres e presas

A presa dos narvais é cobiçada entre aqueles de desejam melhorar o sexo. Fonte da imagem: Reprodução/PhotoMonde

Ao longo da História, os chifres de rinocerontes e presas de narvais – mamíferos que se assemelham à baleia-branca – foram vastamente utilizados como afrodisíacos. Isso porque, na antiguidade, acreditava-se que o propósito dos elementos da natureza era designado pela sua forma. Dessa maneira, nada mais natural do que associar chifres e presas – que são estruturas eretas e projetadas – ao pênis.

Embora não exista nenhum estudo científico que comprove que os elementos retirados desses animais possam realmente trazer algum tipo de benefício para o desempenho sexual, acredita-se a ingestão do chifre do rinoceronte possa ser nociva.

Descobriu-se que, diferente de outros animais, tal parte desses animais é composta majoritariamente de queratina, que é uma proteína que reage quimicamente com substâncias alcalinas, da mesma maneira que acontece com venenos.

Órgãos genitais

O pênis de tigre é um ingrediente considerado afrodisíaco. Fonte da imagem: Reprodução/Haber Vitrini

A partir de um raciocínio semelhante ao que fazia com que as pessoas consumissem os chifres e presas de animais, muitos também chegaram a ingerir os órgãos genitais de algumas espécies para aumentar a libido.

Na Ásia, por exemplo, acredita-se que comer o pênis de tigres ou cervos pode melhorar o desempenho sexual. Para eles, é como se, ao comer o órgão de um desses animais, você estivesse se apropriando dos poderes que ele tem e da imagem que ele representa.

Isso também explica por que em alguns lugares os testículos de boi são uma iguaria muito apreciada. Além de poder experimentar uma cerveja produzida com esse ingrediente, alguns restaurantes servem as partes do animal em versões cruas ou empanadas e fritas.

Cantárida

Fonte da imagem: Reprodução/Shutterstock

Quem imaginaria que ao secar e triturar um pequeno inseto seria possível conseguir um pó capaz de garantir noites inesquecíveis? O pequeno animal que esconde esse poder é um besouro da espécie Lytta vesicatoria, também conhecida como “mosca espanhola”.

O preparado feito com o animal também recebe o nome de cantárida e seu segredo está em uma substância chamada cantaridina. Tradicionalmente utilizado para fins medicinais, o princípio é uma maneira efetiva de se conseguir ereções mais vigorosas e duradouras.

Apesar de tamanha efetividade, a cantárida não é um dos afrodisíacos de maior sucesso entre aqueles que desejam apimentar as relações. Por ser extremamente venenoso, o medicamento pode ser letal mesmo se consumido em pequenas doses.

Pau-de-cabinda

Fonte da imagem: Reprodução/Trance Plants

O afrodisíaco é proveniente de uma árvore da África, onde o produto também é conhecido como yohimbe ou johimbe. A partir da casca da planta é possível obter um chá que possui efeitos estimulantes e afrodisíacos.

Tradicionalmente, o ingrediente era usado para curar as mais diversas doenças, incluindo a disfunção erétil. Conhecido mundialmente como “o Viagra africano”, acredita-se que seu efeito venha do aumento da produção de hormônios como a adrenalina e a norepinefrina, que influenciam diretamente o desempenho sexual.

Segundo o WebMD, a ioimbina é o princípio ativo responsável por aumentar o fluxo sanguíneo e os impulsos nervosos nos órgãos sexuais tanto de homens quanto de mulheres. Apesar disso, não existe nenhuma comprovação científica de que o consumo do chá ou do extrato de pau-de-cabinda possa trazer qualquer benefício para a saúde, mas há quem acredite que a ingestão da dose incorreta pode levar à morte.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.