Por que é tão bom um carinho nos pelos

Por que é tão bom um carinho nos pelos

Último Vídeo

Donos de animais de estimação já percebem, na prática, o quanto seus cães e gatos correspondem a um agrado e um afeto. Quanto mais se acariciam seus pelos, mais os bichinhos se entregam ao carinho. O que se descobre cientificamente agora é que as regiões peludas dos animais, incluindo os humanos, de fato produzem mais prazer ao toque.

Pesquisadores dedicados a entender como o cérebro lida com os estímulos externos perceberam a relação direta dos neurônios sensoriais com os folículos pilosos da pele. De acordo com o resultado da análise, acariciar as áreas mais cabeludas do corpo gera maior sensação de prazer do que em regiões sem pelos.

A pesquisa foi realizada com camundongos, que têm um sistema nervoso semelhante e relacionável aos demais mamíferos. Os cientistas comentam a importância de entender a reação cerebral a todos os estímulos, tanto os ruins quanto os mais agradáveis. Os neurônios dos camundongos foram monitorados a diferentes toques e estímulos, e o que se detectou é que o corpo reconhece o toque de um carinho e reage com satisfação.

As partes cabeludas e os carecas

No que se trata de humanos, uma pesquisa anterior já havia provado que as regiões com mais pelos e cabelos respondem com mais intensidade às carícias. Isso se aplica não apenas ao couro cabeludo ou aos braços peludos mas também aos pelos púbicos; há portanto uma intensificação do prazer nessa região promovida pelo estímulo dos pelos. Além de promover proteção às partes íntimas, os pelos pubianos facilitam a liberação de feromônios para atrair parceiros.

A pesquisa conclui ainda que a sensação de prazer por um carinho ocorre mesmo em regiões que perderam pelo ou cabelo. Isso porque os neurônios sensoriais estão conectados aos folículos pilosos da pele, onde nascem os pelos, que não deixam de “sentir” o estímulo mesmo na ausência de pelo. Assim um careca, uma pessoa de cabeça raspada ou alguém com as partes depiladas não deixaram de sentir prazer com o toque do outro.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.