Você sabia que um extrato genital de castor tem aroma de baunilha?
460
Compartilhamentos

Você sabia que um extrato genital de castor tem aroma de baunilha?

Último Vídeo

Você sabia que alguns alimentos industrializados que você come, ou já comeu um dia, podem conter uma substância extraída da região próxima das glândulas anais de um castor? Antes que você ache nojento, saiba que esse composto não tem cheiro ruim não. Tanto que ele tem um odor almiscarado de baunilha e pode servir para realçar esse aroma em alguns alimentos doces, como biscoitos, balas e sorvetes.

Chamada de castóreo, essa substância é secretada pelos castores para fins de marcação de território e impermeabilização dos pelos. Para a indústria, o composto é aprovado pelo FDA (Food and Drug Administration) dos Estados Unidos, sendo aprovado como um aditivo seguro, que tem sido usado na produção de alimentos e também de perfumes por pelo menos 80 anos.

O castóreo é um composto químico que vem dos sacos de rícino de um castor, que estão localizados junto das áreas genitais do animal, entre a pélvis e à base da cauda. Devido à sua proximidade com as glândulas anais, o castóreo é, muitas vezes, uma combinação de secreções dos sacos de rícino, das glândulas anais e de urina. 

Fonte da imagem: Reprodução/BMackie

Joanne Crawford, uma ambientalista da Universidade do Sul de Illinois, afirma ao National Geographic que o composto é perfumado e tem uma consistência de melaço, sendo de um tom amarelo-acastanhado. Mesmo vindo de uma área bem “suspeita”, diretamente do traseiro do animal, este composto químico traz o aroma agradável, pois é um produto da dieta original do castor, que se alimenta apenas de folhas e cascas.

Aroma natural

Apesar de ser parte da composição de alguns alimentos, não são muitas fábricas que realmente utilizam o castóreo. Isso porque é muito difícil de adquiri-lo, pois exige um tipo de “ordenha” complicada para ambas as partes. Para o animal, ele precisa ser anestesiado e, com isso, ficar disponível para alguém extrair a substância, o que também não deve ser nada agradável.

Talvez por essas razões o consumo de castóreo é bastante pequeno, sendo cerca de 292 libras (132 quilos) anuais e está diminuindo na indústria também devido às leis ambientais. E se você está preocupado se está comendo alguma coisa com castóreo, saiba que ele pode vir disfarçado na lista de ingredientes como “aroma natural”.

Vale esclarecer uma confusão que muita gente faz com algumas substâncias que acham que supostamente são extraídas do castor. Em alguns cosméticos ou alimentos (dos Estados Unidos ou Inglaterra) você pode ver no rótulo o uso de “castor oil”. Fique calmo (principalmente se você é um vegano)! Isso não é “óleo de castor” e sim óleo de rícino extraído da mamona, planta que em inglês é chamada de “castor bean”. 

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.