Cachoeira da Chama Eterna: como essa formação curiosa pode existir?

Cachoeira da Chama Eterna: como essa formação curiosa pode existir?

Último Vídeo

Quem visita o parque Chestnut Ridge, nos arredores de Buffalo, nos EUA, pode vislumbrar uma formação natural bastante incomum: uma queda-d’água com um “misterioso” fogo por trás. Na verdade, existe uma explicação racional para isso, mas durante muitos anos o lugar foi alvo de especulações pra lá de mirabolantes, muitas relacionadas a elfos ou gnomos.

Tudo começou no período Devoniano, há cerca de 400 milhões de anos: com a morte de plantas e animais, seus resíduos orgânicos foram se acumulando sob camadas de areia, limo e outros sedimentos. Com o passar das eras, a pressão geológica fez esse material decomposto virar gás metano.

Com o tempo, esse gás conseguiu abrir uma brecha no solo e escapar por detrás da cachoeira, que tem 27 metros de altura e recebeu o nome de Eternal Flame Falls (ou Queda da Chama Eterna, em tradução livre). Como o metano é altamente inflamável, basta uma faísca para fazer com que a chama seja acesa.

cachoeiraQueda da Chama Eterna intriga visitantes

Assim, você pode imaginar que ela realmente não é “eterna”. De fato, de tempos em tempos ela se apaga, mas sempre tem alguém para reacender o fogo. A chama pode atingir até 20 cm de altura e durante muitos anos foi alvo de lendas.

Com sua “redescoberta”, nos anos 2010, o lugar passou a ser uma atração turística muito visitada, o que causou problemas ambientais, principalmente relacionados ao lixo. E apesar de o turismo ter aumentado, as autoridades pedem que os visitantes tomem cuidado, já que o terreno do parque é bastante acidentado e escorregadio.

Seu mecanismo de funcionamento é semelhante ao da Porta do Inferno, localizada no Turcomenistão, em que o colapso de uma caverna repleta de gás natural foi incendiada em 1971 e, desde então, nunca mais parou de queimar.

chamaFogo acende por conta de uma abertura na rocha que libera o gás

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.