Olha que assustador! Apareceu um “rio de pedras” na Nova Zelândia

Olha que assustador! Apareceu um “rio de pedras” na Nova Zelândia

Último Vídeo

Você ficou sabendo da passagem de um ciclone pela Nova Zelândia? Batizado de Gita, ele deixou um enorme rastro de destruição e levou quatro regiões do país a decretar estado de emergência — por conta das fortes chuvas e das inundações que ocorreram por lá.

No entanto, em meio a todo o caos que se instaurou, algo curioso e bastante assustador foi observado — também como resultado da passagem do ciclone. Próximo ao Monte Hutt, em Canterbury, enquanto um time vistoriava a região para realizar um levantamento dos danos, um rio de pedras foi descoberto nos arredores da cidade de Rakaia. E pelo que você poderá ver nas imagens a seguir, a formação quase parece uma corredeira rochosa! Confira:

Fluxo granularImpressionante, né? (Stuff)

*Para acrescentar mais "drama" à cena, não deixe de assistir ao vídeo com som através deste link!

Fenômeno curioso

De acordo com Dave Petley, pesquisador da Universidade de Sheffield, no Reino Unido, o que nós vimos acima é conhecido como fluxo granular e consiste em um deslizamento de terra carregado de material sólido. Segundo Dave, apesar de parecer um fenômeno bastante exótico, a verdade é que esse tipo de evento é relativamente comum e já foi largamente estudado pelos cientistas.

Conforme explicou, embora o fluxo granular não tenha a mesma densidade que um líquido — como a água, por exemplo —, nos rios de pedras também é possível observar diversos tipos de estruturas que se formariam em um rio convencional.

No caso do que foi gerado na Nova Zelândia, como você viu no vídeo, ele se comportava como se fosse um rio de verdade — correndo das montanhas em direção ao vale. E, caso você tenha ficado curioso para saber mais detalhes, o fluxo “atravessou” oito fazendas que se encontravam em seu caminho e “desaguou” as pedras formando um grande leque uma vez alcançou áreas de planície.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.