Cientista desenvolve impressora 3D capaz de criar 'bifes vegetarianos'
710
Compartilhamentos

Cientista desenvolve impressora 3D capaz de criar 'bifes vegetarianos'

Último Vídeo

As impressoras 3D já são utilizadas para fazer objetos, esculturas e até mesmo armas, e o bioengenheiro italiano Giuseppe Scionti está desenvolvendo mais um uso para essa tecnologia: fazer carne.

Especialista em biomedicina e engenharia de tecidos, o cientista está trabalhando há mais de 3 anos com a Universidade Politécnica da Catalunha no desenvolvimento de uma impressora 3D que faz bifes vegetarianos, chamados de "Novameat".

O produto é composto de proteína vegetal e inclui ingredientes como arroz, ervilhas e algas marinhas, que garantem uma boa dose de aminoácidos para o alimento impresso em 3D.

De acordo com o bioengenheiro, o produto desenvolvido por ele se diferencia dos demais por causa da estrutura, que é fibrosa e se parece com um bife bovino ao ser mastigada. Segundo Scionti, o principal objetivo de sua pesquisa é oferecer uma alternativa à carne tradicional que seja nutritiva e ajude a diminuir os impactos da pecuária.

Atualmente, já existem pesquisas para a criação de carne artificial em laboratório, mas que exigem muitos recursos e tempo de estudo. O método do cientista italiano pode ser considerado revolucionário futuramente por ser uma alternativa mais acessível e barata.

A impressão de 100 gramas do composto, que pode imitar carne bovina ou de frango, leva cerca de 1 hora e custa 2 euros. "A tecnologia permite escalabilidade, para que você não precise de muitas impressoras funcionando simultaneamente. Com um fornecimento contínuo de material e várias extrusoras trabalhando ao mesmo tempo, será possível criar bem mais produtos em muito menos tempo”, explica Scionti.

A impressão 3D vegetariana criada pelo bioengenheiro italiano ainda está dando seus primeiros passos, mas, segundo as expectativas do cientista, a ideia deve se tornar ainda mais atraente após mais pesquisas e investimentos. Com isso, talvez tenhamos um novo tipo de alimento chegando aos supermercados em um futuro não tão distante, o que pode ser bastante positivo para o planeta. 

"Se continuarmos com o sistema atual, no futuro haverá pouca chance de termos recursos para distribuir alimentos para todos", explica o pesquisador. "É por isso que encontrar outra maneira de produzir alimentos saudáveis e econômicos que contenham todos os nutrientes fundamentais nos ajudará a administrar melhor os recursos alimentares do nosso planeta."

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.