O sêmen mais velho do mundo foi capaz de fecundar após longos 50 anos
875
Compartilhamentos

O sêmen mais velho do mundo foi capaz de fecundar após longos 50 anos

Último Vídeo

Imaginar que um sêmen teria sua habilidade de fecundação intacta mesmo após 50 anos causa em qualquer um — no mínimo — estranherismo. Em geral, essa ideia é considerada impossível. Mas, é sempre bom lembrar que a ciência é uma caixinha de surpresas. É de conhecimento geral que a produção de esperma na juventude se distingue da que acontece durante a velhice; na terceira idade, a máquina de esperma continua funcionando, mas a qualidade não é a mesma.

Diante disso, um grupo de cientistas da Austrália assumiu o desafio de contrariar essa afirmativa e, mais importante, comprovar que ela está incorreta. Dessa forma, os pesquisadores se remeteram a um laboratório da Universidade de Sidney que havia coletado e congelado amostras de sêmem de quatro carneiros. Essas amostras, contudo, possuíam uma peculiaridade: sua coleta havia acontecido no ano de 1968.

Reprodução/Fayer Wayer

Elas foram mantidas congeladas com nitrogênio líquido a uma temperatura de -196ºC durante 50 anos, até que os pesquisadores resolveram colocar sua capacidade de fecundação à prova. Para fazer a experiência, 56 ovelhas foram inseminadas artificialmente com essas amostras. O resultado foi chocante: a fecundação teve sucesso em 34 ovelhas.

Apesar do desfecho positivo, os cientistas decidiram fazer uma experiência mais atual para aumentar a confiabilidade da pesquisa. Assim, eles recolheram sêmen de 19 carneiros e congelaram por um mês. Após esse período, 1048 ovelhas foram inseminadas e 618 delas ficaram prenhas. Portanto, os espermas congelados por apenas 30 dias tiveram uma taxa de sucesso de 59%, enquanto que os espermas quinquenários obtiveram 61% de êxito.

Reprodução/Baixaki

A partir desses dados, os pesquisadores concluíram que os espermas coletados e reservados em baixas temperaturas não sofreram alterações em sua qualidade. Essa descoberta foi de extrema relevância para a Universidade de Sidney, que possui uma longa tradição de reprodução animal e para a comunidade acadêmica em geral. 

A esquipe de pesquisadores destacou que essas novas informações não contribuem somente para o entendimento da reprodução de animais como ovelhas, mas também ajudam a compreender mais a fundo o funcionamento da reprodução humana.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.