Pessoas escolhem cachorros como escolhem parceiros românticos

Pessoas escolhem cachorros como escolhem parceiros românticos

Último Vídeo

Na hora de escolher um cachorro para adotar, muitas pessoas falam sobre os critérios que são importantes para elas, assim como a gente faz quando estamos querendo conhecer alguém especial. Idealizamos as características, pensamos nas qualidades e tentamos encontrar alguém que seja o mais parecido possível com aquilo que imaginamos... Certo?

Não é bem por aí que funciona, como podemos ver com o resultado dessa pesquisa. Um time de psicólogos que geralmente analisa o processo de como pessoas escolhem seus parceiros decidiram usar as mesmas ferramentas para entender como as pessoas escolhem um cãozinho na hora da adoção. O objetivo do estudo era aumentar as chances de que os cachorros fossem adotados em abrigos animais.

A autora do estudo Samantha Cohen diz que se interessou pela pesquisa quando começou a fazer trabalho voluntário como conselheira de adoção em um abrigo de animais em Indiana, nos EUA. "Era minha responsabilidade combinar os cães com as pessoas com base em suas preferências, mas muitas vezes percebi que os visitantes acabariam adotando algum outro cão do que minha sugestão original", disse ela em um comunicado.

Existe uma diferença entre o que comunicamos que queremos e o que realmente queremos na hora de adotar um cãocinho. Fonte: Pexels

O fenômeno “lacuna de diferença declarada e relevada” basicamente consiste na discrepância entre o que as pessoas dizem que elas querem e o que elas realmente acabam escolhendo no final das contas.

A autora do estudo organizou os cachorros com base em 13 características, incluindo idade, sexo, cor, tamanho e características da personalidade dos animais. Depois, ela reuniu informações de 1.200 pessoas – delas, 145 seguiram em frente com o processo de adoção.

Muitas pessoas listaram as características que elas queriam nos cachorros, sendo que a amizade era o fator mais importante para os entrevistados, mas muitas vezes eles acabavam escolhendo seu pet levando outros critérios em consideração, como idade e o quão brincalhão o cão era, ou até mesmo o status de raça pura.

O que prova que nem sempre o que falamos é aquilo que realmente desejamos...

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.