Gelo com cloro radioativo é descoberto na Antártica

Gelo com cloro radioativo é descoberto na Antártica

Último Vídeo

De acordo com um grupo de cientistas, há material radioativo que ainda está sendo expelido das geleiras da Antártica, resultado de testes nucleares feitos anos atrás. Durante a Guerra Fria, mais precisamente entre as décadas de 1950 e 1960, os Estados Unidos fizeram uma série de testes nucleares no Oceano Pacífico, jogando vários isótopos radioativos artificiais de cloro (cloro-36) na estratosfera. Com o passar dos anos, esses elementos foram descendo e indo parar no gelo da Antártica.  

Normalmente, esses elementos químicos somem após alguns anos, fato que não ocorreu nas camadas de gelo onde se aglomeraram. Esses resultados levam os cientistas a perceberem que as regiões do continente gelado funcionam de forma diferente de como eles entendiam, abrindo caminho para que novos estudos sejam feitos para compreender como funciona a atmosfera terrestre.

geleiras da Antártica
Fonte: Freepik

Antes que você entre em pânico e pense no perigo do material radioativo exposto  assim como ocorreu no do desastre de Chernobyl, é preciso esclarecer que o cloro-36 é um elemento radioativo que ocorre naturalmente, sendo originado pela reação química de gases em contato com raios cósmicos ou, como no caso, gerado a partir de explosões nucleares. Tanto é comum que os cientistas usam esses isótopos para conseguir determinar a idade do gelo contido em determinada área do continente.

Além disso, a quantidade de radioatividade que está sendo liberada é baixíssima, atingindo de forma muito pequena o ambiente, sem representar um perigo para quem vive na região. Logo, a descoberta tem um valor positivo por representar uma nova maneira de os estudiosos perceberem como o cloro-36 age.

Por isso que entender como esse fenômeno ocorre é importante, já que ajudará os cientistas a aperfeiçoar o método de datação, tornando possível e precisa a compreensão de como o clima da Terra mudou durante os anos. 

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.