06
Compartilhamentos

Gypsy Rose: o caso bizarro da filha que matou a mãe

ATENÇÃO: esse texto pode trazer conteúdos sensíveis por abordar um caso real.

“A vadia morreu!”, era o que dizia a última publicação de 2015 no perfil do Facebook de Dee Dee Blanchard, uma norte-americana que morava na cidade de Springfield, no estado de Missouri. Dee Dee dividia uma casa com sua filha Gypsy Rose, quem ela alegava ter diversos problemas de saúde e por isso passava tempo integral dentro de casa fornecendo todo tipo de cuidado.

Entretanto, o que parecia ser uma relação harmoniosa entre mãe e filha acabou se transformando em uma verdadeira história de filme de terror ilustrada por todos os noticiários dos Estados Unidos. Então, conheça todos os detalhes que criaram um dos enredos mais sombrios e bizarros dos últimos anos!

Dee Dee e Gypsy Rose

(Fonte: Hulu/Divulgação)
(Fonte: Hulu/Divulgação)

Conhecidas por serem muito queridas por toda a vizinhança, Dee Dee e Gypsy Rose pareciam viver uma vida pacata no interior dos EUA. Quando perguntada sobre os problemas de sua filha, Blanchard respondia que a garota sofria com distrofia muscular, epilepsia, asma severa e tantos outros problemas que colocavam sua saúde em risco desde criança.

Até por isso, Dee Dee acabou desenvolvendo um relacionamento superprotetor e nunca desgrudava de sua cria. Porém, tudo começou a mudar quando Gypsy, aos 18 anos, descobriu que sua mãe havia adulterado todos os laudos médicos e mentia para ela sobre seu estado de saúde durante toda a sua vida.

Foi então que a garota se rebelou e decidiu tramar o assassinato de Dee Dee junto ao seu namorado Nicholas Godejohn, um rapaz de 24 anos o qual ela havia conhecido através de um site de relacionamentos cristão e se comunicava diariamente há dois anos.

O assassinato de Dee Dee Blanchard

(Fonte: Hulu/Divulgação)
(Fonte: Hulu/Divulgação)

Em junho de 2015, o corpo de Dee Dee foi encontrado pela polícia esfaqueado dentro da casa onde as duas residiam no Missouri. Além disso, todos os indícios da cena do crime demonstravam que ele havia ocorrido há dias. Como Gypsy não estava dentro de casa nesse momento, o mistério começou a tomar grandes proporções pela vizinhança.

A primeira pista surgiu quando Aleah Woodmansee, uma amiga próxima de Gypsy Rose, procurou as autoridades locais a fim de fornecer algumas informações que pudessem ajudar a desvendar o acontecimento. Segundo ela, a filha da vítima havia arranjado um namoro secreto online há algum tempo.

Como Dee Dee não gostava que sua filha falasse sobre homens ou tivesse relacionamentos amorosos, Gypsy optou por criar um perfil falso com o nome de Emma Rosa, o qual ela utilizava para compartilhar mensagens secretas via Facebook,

Após esse relato, os polícias logo foram atrás da casa de Nicholas Godejohn. Não precisou de muito para que o rapaz se entregasse e confessasse a autoria do crime. Junto a ele também estava Gypsy Rose, mas sem portar um objeto recorrente na sua vida: a cadeira de rodas que verdadeiramente nunca precisou utilizar.

Uma vida de mentiras

(Fonte: Hulu/Divulgação)
(Fonte: Hulu/Divulgação)

Quando procurado para dar explicações, o pai de Gypsy, Rod Blanchard, disse que a menina nasceu completamente saudável, mas aos seus três meses de idade Dee Dee se convenceu de que a filha sofria de apneia do sono e que não conseguia respirar durante a noite. A partir desse momento, uma vida de mentiras começou a ser construída.

Novos problemas surgiam esporadicamente e, consequentemente, Gypsy se tornava cada vez mais dependente. Conforme a família passou a receber ajuda financeira do governo e de ONGs, o apetite por atenção também aumentou, tanto que as duas chegaram a ganhar viagens gratuitas para a Disney.

Porém, ao ser encontrada pela polícia de Spriengfield na casa de seu namorado em 2015, a menina já não utilizava nenhum remédio ou portava seu tanque de oxigênio. Além disso, exibia cabelos curtos e espetados, os quais eram raspados frequentemente para manter um aspecto de doente desde pequena.

Após uma análise aprofundada do caso, os médicos suspeitam que Dee Dee sofria da síndrome de Münchausen por procuração, fazendo com que ela fingisse sintomas físicos e psicológicos para angariar simpatia. Os advogados também suspeitam que Gypsy tenha sido dopada com tranquilizantes por boa parte de sua vida.

O crime e a condenação

(Fonte: Hulu/Divulgação)
(Fonte: Hulu/Divulgação)

Gypsy Rose e Nicholas Godejohn planejaram o assassinato de Dee Dee Blanchard por meio das trocas de mensagens virtuais. Na época, a garota pedia que o rapaz acabasse com a vida de sua mãe, pedido respondido com uma promessa de ser implacável e utilizar todo o ódio sentido por Dee Dee contra ela.

Apesar da garota ter sido quem comprou a faca utilizada no crime, Godejohn foi quem desferiu todos os golpes enquanto a mulher de 48 anos dormia em seus aposentos. Mesmo sem antecedentes criminais, Nicholas foi condenado à prisão perpétua.

Gypsy, por outro lado, recebeu a sentença mínima para um homicídio: 10 anos. Sua liberdade está programada para 2023, ano em que completará 32 anos e finalmente poderá buscar por uma vida normal pelas ruas dos Estados Unidos.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.