Seja o primeiro a compartilhar

Rã carregando sementes nas costas é o primeiro caso registrado de dispersão por anfíbios

Um cientista de anfíbios da Universidade de Newcastle descobriu recentemente uma rã que carrega sementes e ajuda na reprodução das plantas. A espécie avistada foi a Litoria fallax, também chamada de "eastern dwarf tree frogs", ou perereca-anã oriental, em tradução livre; em um caso raro de dispersão por meio de anfíbios.

A L. fallax é uma espécie australiana típica principalmente da região da costa leste, com ocorrências esparsas entre os estados de Queensland e Nova Gales do Sul. Seu comprimento é de até 2,5 cm e ela possui cor verde brilhante ou bronze.

Dispersão de sementes pela perereca-anã

John Gould/Ethology(Fonte: John Gould/Ethology/Reprodução)

O estudo sobre a Litoria fallax foi publicado pelo australiano Dr. John Gould e seu colega, Jose Valdez, no início deste mês na revista Ethology. Nele, os cientistas destacam que o único tipo de semente sendo transportado durante o estudo foi a Typha orientalis.

A equipe ainda apurou que 30% das rãs no lago estudado carregavam sementes da planta espalhadas pelas patas, costas e barriga. Em um dos indivíduos observados, havia 14 unidades por todo o corpo.

Typha orientalis. (Fonte: Getty Images)Typha orientalis. (Fonte: Getty Images)

Relação entre animais e plantas facilita reprodução

Conforme os cientistas, os tufos finos da Typha contribuíram para que ela fosse mais facilmente dispersada pelo vento. Além disso, para uma espécie de rã tão pequena quanto a Litoria fallax, a leveza também foi um fator fundamental para essa "parceria".

"Relações bem conhecidas entre plantas e animais incluem a produção de néctar pelas flores para atrair animais para transferência de pólen e a produção de frutos para atrair animais para dispersão de sementes", explicam os pesquisadores em entrevista ao PopSci.

A espécie australiana pode medir até 2,5 cm de comprimentoA espécie australiana pode medir até 2,5 cm de comprimento

O fenômeno da dispersão de sementes possibilita a adaptação de espécies vegetais a diferentes ambientes. Embora esse hábito seja mais comum entre animais como pássaros, esse pode ser um dos primeiros registros de dispersão por rãs.

Ainda assim, não há respostas sobre a porcentagem da contribuição dessa espécie para a sobrevivência da Typha. Entretanto, ainda pode ser uma vantagem, pois, enquanto o vento contribui de forma aleatória, as rãs podem levar as sementes para locais melhor adaptados para receber a vegetação.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.