Novo RoboCop será retratado como um drone com consciência
220
Compartilhamentos

Novo RoboCop será retratado como um drone com consciência

Último Vídeo

Como você sabe, no ano que vem estreará nos cinemas de todo o mundo uma nova versão do clássico “RoboCop”. O primeiro filme foi lançado na década de 80 e se tratava de uma sátira política e social sobre o estilo de vida e a ganância corporativa da época. O novo, pelo visto, também virá recheado de questões políticas, incluindo uma que vem causando certa preocupação, relacionada à inevitável adoção de armas de guerra no controle do crime local.

Quem está no comando do novo longa é o brasileiro José Padilha — acostumado a lidar com temas políticos, como aconteceu em Tropa de Elite 1 e 2 —, que conversou com o pessoal do io9 para explicar as razões que o motivaram a trazer a discussão sobre o emprego de drones pela polícia. No filme, as leis do futuro proíbem que essas máquinas de matar puxem o gatilho, e é aí que o policial ciborgue entra em cena, no intuito de se encaixar em uma brecha da lei.

Máquinas com consciência

De acordo com Padilha, a sua intenção é pôr em pauta questões relacionadas à conduta de máquinas e humanos. Assim, se um policial dispara contra alguém, ele pode ser julgado com base em sua decisão de puxar o gatilho, e então é possível determinar se esse indivíduo cometeu um erro ou não. Mas e no caso das máquinas, quem é o responsável quando um drone comete um erro e dispara contra alguém?

Fonte da imagem: Reprodução/ComicBookMovie.com

Conforme explicou Padilha, hoje essas máquinas são empregadas em conflitos e controladas remotamente por humanos. Contudo, chegará o dia — que, segundo o brasileiro, não deve tardar muito — em que os drones serão autônomos, uma espécie de “Exterminadores do Futuro”, dispensando a necessidade de alguém que os pilote. Portanto, no caso de um acidente, de quem será a culpa?

O RoboCop de Padilha nada mais é do um policial metade homem metade máquina, ou seja, um drone com consciência e capaz de decidir sobre suas ações. Segundo o brasileiro, esta nova versão do clássico não é um remake do original, já que o filme de então retratava as preocupações — como o medo e a violência — daquela época. O longa de agora toma emprestado os aspectos centrais do clássico, adaptando-os às inquietações atuais.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.