(Fonte da imagem: Reprodução/Thinkstock)

Um estudo realizado com crianças britânicas sugere que o desenvolvimento do cérebro de bebês pode ser afetado por distúrbios respiratórios comuns durante o sono — como a apneia, o ronco e respiração bucal —, especialmente a região do córtex pré-frontal, diretamente relacionado ao controle comportamental.

Mesmo depois de acompanhar 11 mil crianças, desde o nascimento até a idade de sete anos, os pesquisadores não conseguiram identificar exatamente qual é a relação entre a respiração e os problemas de desenvolvimento. Entretanto, eles descobriram que crianças com esse tipo de distúrbio, especialmente as que apresentaram picos aos dois anos e meio de idade, foram as que demonstraram o comportamento mais problemático ao alcançar a idade escolar.

Os números do estudo

Ao chegar aos sete anos, essas crianças mostraram ter 85% mais probabilidade de apresentar um comportamento hiperativo, 60% mais chances de sofrer problemas de conduta, e 37% mais chances de demonstrar problemas de relacionamento com outras crianças.

De acordo com Karen Bonuck, epidemiologista e uma das autoras da pesquisa, existem várias causas potenciais para este problema, como a falta de oxigenação no cérebro durante os períodos de descanso e o acúmulo de dióxido de carbono em cérebros jovens ainda em desenvolvimento.

Outros aspectos também foram considerados, como o fato de que crianças provenientes de famílias menos preparadas também apresentam problemas de comportamento aos 4 e aos 7 anos de idade. Contudo, os pesquisadores descobriram que os distúrbios durante o sono parecem exercer uma influência muito mais evidente.