(Fonte da imagem: Reprodução/BBC)

Já vimos por aqui os mais inusitados objetos e criações feitos de Lego, que incluem réplicas de naves espaciais, livros, cadeira de rodas e até mesmo impressoras. Mas caso quiséssemos construir uma torre superalta, qual seria a altura máxima que a base poderia suportar antes de se romper sob o peso?

Aparentemente, essa questão vem gerando muita polêmica e o pessoal da BBC decidiu averiguar, escalando um time de engenheiros para realizar uma série de cálculos e testes com os famosos brinquedos. Para isso, a equipe utilizou um típico bloquinho de plástico de 2x2 e o levou a uma máquina para testes hidráulicos.

Assim, depois de aplicar forças que escalaram de 3.500 newtons (equivalentes a 350 quilos) até 4.240 newtons (mais de 430 quilos), os engenheiros observaram que, em vez de se romperem, os blocos de plástico simplesmente se deformaram sob o peso aplicado.

Cálculos “leguísticos”

(Fonte da imagem: Reprodução/BBC)

Com base nessas informações e no peso de cada Lego, a equipe calculou que cada bloco é capaz de suportar o peso de 375 mil pecinhas de plástico que, encaixadas umas sobre as outras, poderiam — teoricamente — chegar a mais de 3,5 quilômetros de altura. Um número bem maior do que o da torre atual de 32 metros que consta como a mais alta do mundo no Livro dos Recordes.

Uma torre dessa magnitude seria mais alta do que o Monte Olimpo na Grécia (com 2.917 metros) e do que a altura na qual Felix Baumgartner abriu o paraquedas quando saltou da estratosfera (2.516 metros) — na vida real, portanto, a construção seria impossível. Segundo os engenheiros, para resistir, a estrutura teria que ser perfeitamente simétrica e sem nenhuma falha sequer, por mínima que fosse.