Cientistas desenvolvem primeira miniatura de cérebro humano em laboratório
77
Compartilhamentos

Cientistas desenvolvem primeira miniatura de cérebro humano em laboratório

Último Vídeo

Como você sabe, existem cientistas trabalhando no desenvolvimento de diversas partes do corpo em laboratório, e várias estruturas — como orelhas, fígado, vasos sanguíneos e até o coração — inclusive já foram produzidas experimentalmente. Pois, agora, mais um órgão que pode entrar para essa lista é nada menos do que o cérebro, ou seja, o mais complexo do corpo humano.

Pesquisadores do Instituto de Biotecnologia Molecular da Academia Austríaca de Ciências conseguiram produzir o que eles chamam de “organoides cerebrais”, ou seja, microcérebros humanos contando com apenas alguns milímetros. No entanto, apesar de serem diminutas, essas estruturas apresentam as mesmas áreas que o cérebro de um embrião com nove semanas de desenvolvimento apresentaria.

Frankenstein

Fonte da imagem: Reprodução/Extreme Tech

Os organoides foram produzidos a partir de células-tronco colocadas em uma solução que posteriormente foi levada a um biorreator. A substância na qual as células foram embebidas imita o útero humano e, após algumas semanas nesse ambiente, essas estruturas começaram a se aglomerar formando microcérebros medindo entre 3 e 4 milímetros de diâmetro.

Segundo a publicação, cada organoide cerebral conta com regiões semelhantes às do cérebro humano nas primeiras fases do desenvolvimento embrionário, como o córtex e o hipocampo — área responsável pelo aprendizado —, e até mesmo uma retina pouco desenvolvida.

Só micro

Fonte da imagem: Reprodução/Extreme Tech

No momento, devido à dificuldade de fornecer constante fluxo sanguíneo aos organoides — problema recorrente de todas as estruturas produzidas em laboratório —, é impossível que os microcérebros aumentem de tamanho até chegarem às dimensões de um órgão desenvolvido.

No entanto, conforme explicaram os cientistas, embora sejam pequeninos, os organoides podem ajudar os pesquisadores a compreender melhor o desenvolvimento cerebral e o surgimento de alguns problemas neurológicos — como o autismo e a esquizofrenia, por exemplo —, além de oferecer novas possibilidades para a medicina regenerativa.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.