EUA investiga primeira morte supostamente causada por cigarro eletrônico

EUA investiga primeira morte supostamente causada por cigarro eletrônico

Último Vídeo

A morte de um morador de Illinois, nos Estados Unidos, pode ser o primeiro caso documentado de um paciente que faleceu devido a complicações do uso de cigarro eletrônico. A suspeita é do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla original em inglês), que agora vai averiguar melhor o caso.

Segundo o jornal The Washington Post, a vítima é um homem adulto que foi hospitalizado por "uma doença inexplicável depois de reportar o uso de cigarro eletrônico ou vapes". Ele apresentou uma série de problemas respiratórios, além de tosses frequentes, perda de fôlego, cansaço, vômito e diarreia. Os sintomas pioram ao longo dos dias, o que leva a pessoa a procurar ajuda médica.

O CDC agora vai intensificar as pesquisas no setor, já que ao menos 193 casos de doenças similares foram encontradas em usuários de vapes em 22 estados norte-americanos. Só no estado em questão, foram 22 casos entre pessoas de 17 a 38 anos.

Em busca de respostas

Por enquanto, não há qualquer evidência de que a vítima em Illinios tenha morrido de fato em decorrência do uso do cigarro eletrônico. É preciso esperar informações detalhadas sobre o perfil do paciente ou que produtos ele utilizava — afinal, o incidente pode ter acontecido por substâncias contaminadas, partículas de algum composto que foram parar no pulmão ou fatores não relacionados com o produto. A existência de um "mercado paralelo" de cargas é ainda mais perigosa, já que não há muitas garantias sobre a procedência dos produtos e de sua fabricação.

Além disso, faltam estudos mais consolidados na área dos cigarros eletrônicos para identificar potenciais riscos. Segundo o Departamento de Saúde Pública do estado, o CDC recolheu amostras em vários locais em que casos parecidos foram reportados e deve fornecer mais informações sobre o caso em breve. 

EUA investiga primeira morte supostamente causada por cigarro eletrônico via TecMundo

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.