(Fonte da imagem: Reprodução/Thinkstock)

Pesquisadores da Universidade de Cambridge descobriram que o Propranolol, medicamento normalmente indicado para o tratamento da pressão alta e ansiedade, pode bloquear o desejo de beber em pessoas que sofrem de alcoolismo crônico.

Os testes clínicos com humanos foram aprovados depois que os pesquisadores observaram o efeito da droga em ratos, que tiveram o estímulo cerebral relacionado à bebida completamente bloqueado. Segundo os pesquisadores, o Propranolol age sobre os receptores alfa — responsáveis por criar memórias emocionais —, evitando que o paciente tenha um impulso subconsciente de beber ao entrar em contato com pessoas ou locais relacionados ao vício. O medicamento faz com que emoção e memória sejam dissociadas.

De acordo com a Dra. Amy Milton, responsável pelo estudo, “tradicionalmente, a memória era vista como um livro, que podia ser armazenado, mas nunca modificado uma vez impresso; mas agora se acredita que a memória funcione mais como um documento gerado por um processador de textos, que pode ser salvo e depois acessado, podendo, inclusive, ser adaptado e ter o seu conteúdo deletado”.

Os testes com humanos, que terão início ainda este ano, devem recrutar dezenas de alcoólatras. Caso seja comprovada a eficácia do medicamento, o seu uso pode revolucionar a forma como tratamos o alcoolismo crônico.