Estudo aponta que papel de comprovantes bancários pode ser tóxico
55
Compartilhamentos

Estudo aponta que papel de comprovantes bancários pode ser tóxico

Último Vídeo

Sabe aqueles recibinhos que recebemos depois de transações com cartões de débito e crédito ou, ainda, quando sacamos extratos bancários nos caixas eletrônicos? Pois esses comprovantes — assim como os que recebemos em supermercados, lojas etc. — são impressos em papel térmico — material que contém uma substância química chamada bisfenol A (ou BPA) e cujo manuseio pode contaminar os humanos.

De acordo com a Reuters, a exposição ao bisfenol A já havia sido relacionada a diversos problemas de saúde, incluindo impactos nas funções reprodutivas em adultos e no desenvolvimento cerebral de bebês durante a gestação. O BPA é quimicamente parecido ao estrogênio, e os cientistas acreditam que ele possa “imitar” o efeito desse hormônio no organismo.

Fonte da imagem: Reprodução/The Source Brasil

Além do papel térmico, a substância também é usada na fabricação de objetos de plástico rígido e transparente — como mamadeiras, por exemplo — e no revestimento de latas de alumínio para alimentos. A principal forma de exposição conhecida ao bisfenol A, portanto, ocorria através da ingestão de produtos contaminados, tanto que você já deve ter ouvido a recomendação de não comer nada diretamente de latinhas. A comercialização de mamadeiras contendo BPA também foi banida, e a proibição entrou em vigor no Brasil em 2012.

Alerta

Fonte da imagem: Reprodução/Daily Mail

Agora, um estudo conduzido por pesquisadores do Cincinnati Children`s Hospital Medical Center de Ohio, nos EUA, apontou que o BPA presente em recibos e comprovantes pode ser absorvido pela pele também. A equipe — liderada pela Dra. Shelley Ehrlich — recrutou 24 voluntários que se submeteram a exames de urina após manipular recibos impressos em papel térmico durante um período de duas horas, com e sem luvas de proteção.

Ao início do experimento, os exames detectaram a presença de BPA em 83% dos participantes, e em 100% dos que manusearam os recibos sem usar luvas após o período de duas horas. Já os voluntários que usaram proteção nas mãos durante o estudo não apresentaram mudanças na concentração da substância na urina.

Os pesquisadores ainda precisam determinar as implicações da descoberta, e alertaram que pessoas que trabalham em contato constante com papel térmico — como caixas de estabelecimentos comerciais e bancários — talvez devam considerar tomar algumas precauções, especialmente no caso de grávidas e lactantes. Já para quem não manipula esses materiais rotineiramente, a sugestão é a de lavar as mãos após o contato.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.