5.876
Compartilhamentos

Em Botswana, 5 leoas estão apresentando juba e comportamento de macho

Último Vídeo

Na Reserva Moremi Game, em Botswana, os pesquisadores estão notando uma mudança comportamental em ao menos 5 leoas: além de elas estarem desenvolvendo jubas, elas também estão apresentando comportamentos típicos de machos da espécie. Observações recentes mostram que uma delas, inclusive, já está rugindo com bastante frequência e sendo “cortejada” por outras leoas.

Esse comportamento começou a ser notado em 2014 e tem se intensificado desde então. Apesar da masculinização, 3 dessas fêmeas continuam apenas procurando outros machos na hora de se acasalarem. O mesmo não acontece com uma quarta fêmea, apelidada de SaF05, que tem chamado a atenção tanto de machos quanto de outras leoas. Ela, inclusive, já matou 2 filhotes de uma "rival" – algo praticado apenas pelos machos dessa espécie.

Apesar da SaF05 apresentar uma bela juba e, com isso, atrair outras leoas, as tentativas de acasalamento sempre acabaram em esnobadas ou brigas. Ainda não se sabe exatamente o que fez com que essas leoas de Botswana apresentassem um comportamento mais masculinizado, mas acredita-se que tenha a ver com alterações nos níveis de testosterona.

Descontrole hormonal pode estar por trás do crescimento de juba nas leoas

O cientista Karl Gruber explica que quando os leões machos são castrados, eles diminuem muito seu nível de testosterona, a ponto de perderem a juba. Algo semelhante pode estar acontecendo com as fêmeas da espécie, ainda que elas não tenham sido castradas. O que fez que elas aumentassem a produção desse hormônio ainda é um mistério a ser solucionado.

Existe a possibilidade de essas 5 leoas terem nascido com essa condição, com alterações hormonais acontecendo no próprio útero de suas mães. Essa hipótese é bastante aceita, já que, até o momento, elas ainda não tiveram nenhuma gestação. Os cientistas acreditam que elas podem ser inférteis e, se essa for a realidade, talvez elas sofram de alguma síndrome ou mutação bastante rara, mas sem chances de repassarem para futuras gerações.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.