Encontraram 2 esqueletos enterrados de forma muito sinistra na Inglaterra
144
Compartilhamentos

Encontraram 2 esqueletos enterrados de forma muito sinistra na Inglaterra

Último Vídeo

Uma coisa curiosa sobre a Europa é que praticamente toda vez que alguém decide cavoucar algum lugar ou construir alguma coisa são descobertos artefatos arqueológicos. Pois durante escavações realizadas antes dos trabalhos de melhoria de uma rodovia na Inglaterra — sim, por lá é normal que a galera conduza levantamentos antes que as obras propriamente ditas sejam iniciadas — os arqueólogos se depararam com algo muito sinistro.

Pobres coitados

De acordo com Maev Kennedy, do portal de notícias The Guardian, a descoberta aconteceu quando se realizavam sondagens anteriores a obras na rodovia A14, que liga a cidade de Cambridge a Huntington, e consiste nos corpos de dois homens sepultados formando um “T” e com as pernas decepadas — e posicionadas ao lado dos cadáveres. Veja uma imagem dos esqueletos conforme foram encontrados: 

Esqueletos humanos(Mola Headland Archeology 1)

Segundo explicou um dos arqueólogos responsáveis pelas escavações, Jonathan House, apesar de ainda não terem sido conduzidas análises detalhadas nos dois esqueletos, eles foram datados como sendo do século 5, o que significa que os corpos seriam do final do período de dominação romana em terras britânicas ou início da era anglo-saxã. Além disso, alguém realmente deveria detestar esses pobres coitados.

Conforme mencionamos antes, eles foram encontrados sepultados em ângulos retos, formando um T, e com as cabeças posicionadas afastadas uma da outra. Ademais, seus crânios apresentam danos significativos, mas os arqueólogos não sabem dizer ainda se as fraturas aconteceram quando os homens foram mortos ou se elas são resultado da passagem do tempo.

Sítio arqueológico(Mola Headland Archeology 2)

Com relação às pernas decepadas, cada um foi sepultado com seus respectivos membros e, de momento, as teorias são que as amputações podem ter ocorrido depois de os homens terem morrido, para evitar que eles se levantassem de suas covas — o povo era bem supersticioso no passado — ou, ainda, antes que a dupla perdesse a vida, possivelmente como castigo por causa de uma tentativa de fuga.

Passado violento

Tenso? Bastante! E as coisas eram pra lá de violentas naquela época. De acordo com os arqueólogos tentando juntar as peças do quebra-cabeça com o qual se depararam, quando os romanos chegaram à Inglaterra, a população foi completamente subjugada e a maioria foi escravizada. As pessoas que costumavam viver ali, apenas cultivando suas terras e criando seus animais em paz, de repente se viram invadidas pelos estrangeiros e, obviamente, a convivência não foi nada amigável.

Antigo forno de cerâmica(Mola Headland Archeology 3)

Os arqueólogos não encontraram sinais de edifícios romanos permanentes, mas sim sinais de que a terra foi bastante empregada na agricultura. Portanto, é possível que se tratasse de uma aldeia que foi como usada como ponto de apoio pelos romanos que iam em direção à Muralha de Adriano, no norte da Inglaterra, e a população forçada a trabalhar para os invasores.

Ossos humanos(Mola Headland Archeology 4)

Outro vestígio de que as coisas deviam ser violentas no local foi um torso humano encontrado no interior de um poço romano a cerca de 50 metros de distância dos esqueletos fujões — e nem sinal das pernas ou pelve foi achado. Além desses restos humanos da era romana/anglo-saxã, os arqueólogos também encontraram fornos para cerâmica, três monumentos de pedra (ao estilo de Stonehenge) e sepulturas pré-históricas, vestígios de acampamentos anglo-saxões, 12 edifícios medievais e um enorme centro comercial romano. Tudo isso em um trecho de rodovia que deve passar por melhorias!

***

Você conhece a newsletter do Mega Curioso? Semanalmente, produzimos um conteúdo exclusivo para os amantes das maiores curiosidades e bizarrices deste mundão afora! Cadastre seu email e não perca mais essa forma de mantermos contato!

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.