Planeta com órbita bizarra surpreende astrônomos

Planeta com órbita bizarra surpreende astrônomos

Último Vídeo

Um planeta massivo descoberto por astrônomos do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), na última semana, intrigou pesquisadores por conta de sua órbita incomum, que circula a estrela do seu sistema em um grande elipse.

Fonte: Caltech/Divulgação

A descoberta do exoplaneta foi possível através do método de velocidade radial. Uma forma de estudo que detecta novos mundos através da análise de eventos em estrelas próximas a esses planetas. Porém, esse estudo normalmente exige a observação completa do período orbital dos corpos, o que pode levar dezenas ou até centenas de anos.

De acordo com o Caltech, planetas com órbitas elípticas já foram encontrados, contudo, nenhum deles se localizava tão distante de suas estrelas centrais. O novo planeta, nomeado HR 5183 B, demora de 45 a 100 anos para circundar sua estrela e possui três vezes a massa de Júpiter.

“Esse planeta passa maior parte do tempo vagando na outra parte do seu sistema planetário em uma órbita bem fora de centro, então ele começa a acelerar até ser lançado ao redor de sua estrela”, comentou o professor de astronomia, Andrew W. Howard.

Trazendo para perto

Uma simulação apresentada pelo Caltech, mostra como a órbita incomum desse planeta funcionaria se estivesse no sistema solar. Na demonstração é possível ver que, em certo ponto, a órbita do HR 5183 B teria um tamanho próximo à de Júpiter, mas após isso ele seria lançado para além da órbita do último planeta do sistema solar, Netuno. “Outros planetas detectados a grandes distâncias de suas estrelas geralmente têm excentricidades pequenas, ou seja, têm órbitas mais circulares”, comenta a autora principal do estudo, Sarah Blunt.

Conforme publicação do Caltech, para que a nova descoberta chegasse a essa órbita tão incomum, foi necessário um “empurrão gravitacional” vindo de outro corpo celeste. Um planeta vizinho de tamanho similar ao HR 5183 B teria criado a excentricidade orbital devido a conflitos de forças gravitacionais, relatam os pesquisadores.

A descoberta demonstra que o entendimento sobre exoplanetas tem um longo caminho a percorrer. Prova disso são corpos com características nunca avistadas anteriormente pela comunidade científica.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.