Por que crianças estão sofrendo menos com o surto de coronavírus?

Por que crianças estão sofrendo menos com o surto de coronavírus?

Último Vídeo

O surto de coronavírus, surgido na cidade chinesa de Wuhan, tem feito vítimas fatais dia após dia. No entanto, uma peculiaridade nos casos de infecção da doença vem chamando a atenção de cientistas e médicos: poucas crianças contraem coronavírus, e as que contraem sofrem de forma mais branda, de maneira que não constam entre as vítimas fatais. A idade média dos pacientes está entre 49 e 56 anos, conforme o Journal of the American Medical Association.

Ainda não se sabe exatamente o que faz com que as crianças escapem do vírus, porém existem especulações. Uma delas, segundo o chefe da Divisão de Doenças Infecciosas Pediátricas da Universidade de Utah, Dr. Andrew Pavia, é a diferença na resposta imunológica entre crianças e adultos. O sistema imunológico das crianças é mais precoce, por isso as células respondem imediatamente a invasores. As crianças infectadas acabam sendo diagnosticadas somente com pneumonia, pois conseguem ser tratadas e não sofrem tanto quanto adultos com o coronavírus.

O fato de elas possuirem as vias respiratórias mais saudáveis, livres da exposição aos poluentes externos, como cigarro e poluição do ar, também pode contribuir para isso. Outra hipótese é de que as crianças não sofrem com condições crônicas de saúde, por isso tem menos risco de morte.

(Fonte: Live Science/Reprodução)
(Fonte: Live Science/Reprodução)

Sistema imunológico piora com a idade

O professor de pediatria e doenças infecciosas na Geffen School of Medicine da UCLA, Dr. James Cherry, coloca os adultos como mais suscetíveis ao vírus por um problema conhecido como síndrome do desconforto respiratório adulto.

Ele faz com que haja um desequilíbrio na atividade das células imunes. Dessa forma, a inflamação passa direto aos pulmões, causando dificuldade na obtenção de oxigênio novo. Com isso, a pessoa não consegue mais respirar e acaba morrendo.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.