Betelgeuse: veja novas imagens do escurecimento da estrela

Betelgeuse: veja novas imagens do escurecimento da estrela

Último Vídeo

Astrônomos que têm estudado e analisado detalhadamente o escurecimento da estrela Betelgeuse divulgaram recentemente novas imagens que destacaram a atual condição da estrela. As imagens foram feitas por meio do Very Large Telescope(VLT) do European Southern Observatory (ESO).

Janeiro de 2019 (Fonte:ESO)
Dezembro de 2019 (Fonte:ESO)

Antes e depois

A equipe de cientistas liderada por Miguel Montargès, astrônomo do KU Leuven (Bélgica), está por trás das novas imagens e tem estudado o comportamento incomum da supergigante vermelha, que figura o ombro de Órion na constelação de mesmo nome, desde dezembro de 2019, com o VLT do ESO.

Em janeiro, eles já faziam observações, ou seja, antes do período previsto para o escurecimento. Devido a isso, foi possível fazer os registros do antes e depois.

(Fonte: ESO)

A cada ciclo de 425 dias, Betelgeuse passa por um período de brilho e escurecimento, porém, ao contrário do que se previa, em dezembro ela começou a escurecer — em vez de brilhar mais forte, ela acabou ficando 2 vezes mais fraca. Atualmente, o brilho está em 36% em relação à escala normal, conforme os cientistas. Outro aspecto também tem intrigado muito os pesquisadores de todo o mundo: além do escurecimento anormal da estrela, sua forma também parece estar mudando.

Assim, a ideia é continuar observando as condições da supergigante vermelha e fornecer informações atualizadas para outros astrônomos, ampliando as perspectivas de estudo e mantendo atualizado o Astronomers Telegram, uma espécie de banco de dados de descobertas astronômicas voltado para cientistas de todo o mundo.

Agora, se haverá ou não possibilidade de vermos o nascimento de uma supernova “ao vivo e em cores”, ainda é uma dúvida, mas seria a primeira vez. Vale lembrar que tudo no universo tem dimensões gigantescas, isto é, mesmo que Betelgeuse exploda, o que veríamos aqui seria equivalente a uma explosão ocorrida há quase 700 anos.

O fato é que a humanidade presenciaria uma das mais belas ocorrências cósmicas, afinal, o brilho provocado pelo surgimento dessa supernova se pareceria com o da Lua cheia e assim seria visto não por dias, mas, sim, por cerca de 6 meses, e tudo a olho nu!

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.