Mutação no coronavírus pode significar um possível enfraquecimento

Mutação no coronavírus pode significar um possível enfraquecimento

Último Vídeo

Um estudo publicado em 1º de maio no Journal of Virology apontou uma mutação no novo coronavírus muito semelhante à que ocorreu com o vírus SARS em 2003, o que pode indicar o enfraquecimento do vírus.

O Dr. Efren Lim (autor principal do estudo e professor assistente do Instituto de Biodesign da Universidade do Estado do Arizona) e sua equipe utilizaram uma nova tecnologia chamada sequenciamento de próxima geração para ler rapidamente o código genético do SARS-CoV-2 (nome científico do novo coronavírus). Essa tecnologia ajuda a determinar como o vírus está se espalhando, além de suas modificações e adaptações com o passar do tempo.

(Fonte: Pixabay/Reprodução)(Fonte: Pixabay/Reprodução)

De acordo com o estudo, das 382 amostras de zaragatoa nasal examinadas de pacientes com o novo coronavírus no Arizona, uma única não apresentou parte significativa do genoma, com 81 pares não presentes.

Em comunicado, Lim explicou que “uma das razões pelas quais essa mutação é interessante é porque se assemelha a uma grande exclusão que surgiu no surto de Sars em 2003”.

Segundo pesquisadores, durante o meio e o final da epidemia de Sars em 2003, o vírus foi acumulando mutações que diminuíram sua força. Um vírus enfraquecido tende a causar sintomas mais amenos, ajudando sua propagação de forma eficiente entre a população, o que auxilia no aumento da imunidade geral.

(Fonte: Pixabay/Reprodução)(Fonte: Pixabay/Reprodução)

Entretanto, ainda é muito cedo para afirmar que o novo coronavírus está começando a enfraquecer, afinal todos os pacientes que tiveram suas amostras examinadas no Arizona apresentavam os sintomas clínicos. Então mesmo a versão sem 81 dos pares ainda era forte o bastante para causar a doença.

Vale lembrar também que esta é a primeira deleção observada dentro dos 16 mil genomas de coronavírus sequenciados até o momento, representando menos de meio por cento das cepas circulando entre os 3,6 milhões de casos confirmados de covid-19 no mundo inteiro.

“Uma amostra é algo convincente que precisamos para dizer 'olhe só isso', significando que, se mais genomas de coronavírus forem sequenciados, os cientistas poderão encontrar mais instâncias desse genoma atenuado", afirmou Lim.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.