Registro fóssil de ataque de lula tem quase 200 milhões de anos

Registro fóssil de ataque de lula tem quase 200 milhões de anos

Último Vídeo

Pesquisadores da Universidade de Plymouth, na Inglaterra, estudaram um fóssil descoberto há dois anos e perceberam que ele evidencia o exato momento do ataque predatório de um Clarkeiteuthis montefiorei, um tipo de lula, contra um Dorsetichthys bechei, um peixe pré-histórico. E a parte mais impressionante é que esse ataque imortalizado tem aproximadamente 200 milhões de anos. 

A descoberta deste fóssil trouxe luz às pesquisas que buscam desvendar quais criaturas habitavam os oceanos e o solo da Terra no passado, e foi apresentada na quarta-feira (06) durante o evento virtual Sharing Geoscience Online, que é um encontro anual da União Europeia de Geociências.

A Costa Jurássica

O fóssil foi descoberto na Costa Jurássica, na Inglaterra, local que leva esse nome justamente pelo alto índice de fósseis da Era Mesozóica, entre 65 milhões e 250 milhões de anos atrás, que são encontrados na região e pertencem aos períodos Triássico, Jurássico e Cretáceo. O local foi nomeado, em 2001, Patrimônio Mundial da UNESCO, graças às inúmeras descobertas feitas por lá. 

O ataque predatório fossilizado 

O fóssil estava guardado na British Geological Survey, que fica em Nottingham, e foi recentemente reanalizado por pesquisadores da Universidade Plymouth, da Universidade de Kansas e, também, da empresa The Forge Fossil.

(Fonte: Malcom Hart/Proceedings of the Geologists' Association/Reprodução)(Fonte: Malcom Hart/Proceedings of the Geologists' Association/Reprodução)

Na imagem, é possível ver a lula ao lado esquerdo e a presa do lado direito. Caso seja feito um zoom na vítima, pode-se perceber os braços da Clarkeiteuthis montefiorei, de coloração mais escura, ao redor do pequeno peixe, que está ao centro em cor mais alaranjada.

(Fonte: Malcom Hart/Proceedings of the Geologists' Association/Reprodução)(Fonte: Malcom Hart/Proceedings of the Geologists' Association/Reprodução)

Os pesquisadores envolvidos no trabalho acreditam que esta cena, eternizada em um fóssil, é do período Sinemuriano e, portanto, deve ter entre 190 milhões e 199 milhões de anos. Segundo eles, este fóssil é algo incrível e realmente raro, já que é extremamente difícil conseguir encontrar evidências de ataques predatórios nesse formato.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.