Seja o primeiro a compartilhar

Gemini VIII: quando Neil Armstrong impediu um desastre

Em 16 de março de 1966, aconteceu a primeira ancoragem espacial do mundo com a sexta missão tripulada da cápsula Gemini VIII. Comandada pelo notório Neil Armstrong, a missão tinha o objetivo de realizar atividades extraveiculares maiores do que as feitas na Gemini IV e uma acoplagem com um foguete Agena em órbita.

No entanto, durante o momento de acoplamento algo deu errado: a Gemini VIII e o veículo-alvo começaram a girar mortalmente.

Neil Armstrong e David Scott estavam frente a frente com a morte, no que poderia ser a ruína da curta história do programa de voos espaciais humanos nos Estados Unidos.

Alerta de risco

(Fonte: Britannica/Reprodução)(Fonte: Britannica/Reprodução)

Armstrong tentou usar os propulsores da Gemini VIII para parar de girar, mas isso só piorou. Eles estavam sem contato com os controladores de Houston e longe de qualquer estação de rastreamento. Tudo que conseguiram fazer foi lutar para reestabelecer o controle e tentar parar de rodar, mas nem nisso tiveram sucesso.

Em poucos minutos, os dois homens já não conseguiam mais visualizar as taxas no painel de instrumentos devido à velocidade com que rodopiavam. Eles podiam acabar desmaiando e morrendo logo em seguida com a intensidade dos giros, ou com a explosão do foguete Agena.

(Fonte: Sutori/Reprodução)(Fonte: Sutori/Reprodução)

Acreditando se tratar de uma falha de controle de altitude no Agena, Armstrong decidiu desacoplar, porém a Gemini VIII passou a girar mais violentamente. Então ele chegou à conclusão de que o problema era um propulsor preso no Sistema de Altitude e Manobra Orbital (OAMS) da cápsula.

Incapaz de parar os propulsores individuais, Armstrong desligou o OAMS e ativou o Sistema de Controle de Reentrada (RCS), que eram dois anéis propulsores ao redor do nariz da Gemini VIII. Só assim a cápsula parou de rodopiar.

(Fonte: Pinterest/Reprodução)(Fonte: Pinterest/Reprodução)

Uma vez que os retrofoguetes foram disparados e o adaptador separado, a missão precisava imediatamente retornar à Terra. A Gemini VIII fez um pouso de emergência no Oceano Pacífico após 10 horas e 41 minutos de expedição espacial. Os homens foram resgatados por um contratorpedeiro da Marinha dos Estados Unidos.

Apesar do perigo, Armstrong e Scott entraram para a História ao fazerem o que ninguém ainda havia feito – além de sobreviverem a uma situação mortal.

“O cara era brilhante. Ele conhecia o sistema tão bem. Ele encontrou a solução e a ativou em circunstâncias extremas. Foi meu dia de sorte por estar voando com ele”, disse Scott no filme biográfico First Man, narrando a trajetória de Neil Armstrong.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER