Nova 'pele eletrônica' pode permitir que robôs se camuflem instantaneamente
80
Compartilhamentos

Nova 'pele eletrônica' pode permitir que robôs se camuflem instantaneamente

Último Vídeo

Pesquisadores da Universidade de Stanford desenvolveram um tipo de tecido extensível capaz de mudar de cor e reagir à pressão aplicada sobre ele – o mais perto que já chegamos de uma pele de camaleão artificial. Entre as possíveis aplicações da chama e-skin estão dispositivos vestíveis, próteses e até mesmo robôs inteligentes capazes de reagir melhor a mudanças de pressão e temperatura.

Ao aplicar forças variáveis à pele eletrônica, a estrutura química do polímero que a constituem é alterada e faz com que ele mude de cor, permitindo que a pressão exercida sobre a superfície seja medida com mais precisão. Além de contar com utilidades cosméticas para aparelhos vestíveis e celulares, o pesquisador Ho-Hsiu Chou afirma que a novidade poderia ser útil para próteses inteligentes, exoesqueletos e até mesmo robôs.

A invenção é constituída por dois materiais principais distintos. O primeiro é polímero flexível microestruturado que pode emitir voltagens variadas de acordo com a força a que é submetido. O segundo, por sua vez, é um polímero eletrocrômico que pode exibir cores vermelhas ou azuis, dependendo da voltagem à que é submetido. Outros tons poderão ser adicionados quando a tecnologia for aprimorada.

Futuro colorido

Materiais com habilidades similares já foram criados anteriormente – saiba mais clicando aqui –, mas o fato da e-skin ser extensível e imitar matéria orgânica consideravelmente bem expande seu leque de possibilidades. De acordo com Chou, é possível que, no futuro, a invenção seja usada até mesmo para oferecer funções de camuflagem para os dispositivos citados acima.

O que você acha da possibilidade de robôs-camaleões? Comente no Fórum do TecMundo

Via TecMundo.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.