(Fonte da imagem: Thinkstock)

Um novo estudo, que será publicado por pesquisadores da Universidade de Ciências e Tecnologia do Missouri, apresenta uma teoria sobre como determinados padrões de comportamento podem indicar sinais de depressão, especialmente os relacionados à maneira como usamos a internet.

De acordo com o site Science Daily, os pesquisadores avaliaram o comportamento de um grupo de estudantes universitários, atentando especialmente para possíveis sinais de depressão, e depois analisaram seus padrões de uso da internet.

De todos os participantes, os cientistas determinaram que 30% apresentavam os critérios mínimos para serem diagnosticados com depressão, e descobriram que esses mesmos 30% demonstravam um uso diferente da internet quando comparados aos participantes não deprimidos.

Padrões de comportamento

Aparentemente, os deprimidos parecem apresentar um uso significativamente maior de programas para o compartilhamento de arquivos e plataformas para troca de mensagens instantâneas e email, além de mudar frequentemente de aplicativo.

Tal comportamento parece ser condizente com o padrão de distração, falta de atenção e solidão apresentado por pessoas deprimidas. Assim, de acordo com os pesquisadores, passar muito tempo em programas de troca de mensagens instantâneas ou pulando de página para página pode ser considerado como mais um sintoma da doença.

Com a descoberta, os cientistas esperam poder desenvolver algum tipo de aplicativo que monitore os padrões de uso da internet dos indivíduos e alertá-los — ou alertar o corpo acadêmico ou pedagógico em universidades e escolas — quando estes indiquem sinais de depressão. Desta forma, as pessoas poderiam buscar ajuda especializada para tratar o problema antes que este se torne mais grave.

Fonte: Science Daily