Homem leva bomba para casa e vizinhança inteira precisa ser evacuada
2.059
Compartilhamentos

Homem leva bomba para casa e vizinhança inteira precisa ser evacuada

Equipe MegaCurioso
Último Vídeo

Imagine que você decide sair por aí com um detector de metais e se depara com uma antiga bomba não-detonada. O que você faria: deixaria o artefato bem quietinho e chamaria as autoridades competentes para avaliar o seu achado ou levaria o dispositivo alegremente para casa, para exibi-lo como troféu para os seus amigos?

Pois, segundo John Kuroski, do site All That Is Interesting, um cara de Duplek, na Eslovênia, encontrou uma bomba não-detonada da Segunda Guerra Mundial, resolveu levar seu achado para casa e, como resultado, sua vizinhança inteira teve que ser evacuada — e estamos falando de aproximadamente 400 pessoas que tiveram que sair às pressas de suas residências! Bem, agora você já sabe qual é a resposta certa à pergunta que fizemos ali no começo da matéria, né?

Achado perigoso

De acordo com John, a descoberta aconteceu na semana passada, quando o homem — cuja identidade não foi revelada — estava com os filhos brincando de “caça ao tesouro” próximo ao Castelo de Vurberk com um detector de metais. O objeto encontrado é uma bomba de origem norte-americana pesando 250 quilos e, em vez de alertar as autoridades, o cara desenterrou o artefato, o carregou em seu caminhão e o levou para casa.

Bombinha encontrada pelo cara na Eslovênia

O homem, provavelmente sem saber o que fazer com seu achado, decidiu contatar as autoridades no dia seguinte — e foi aí que o reboliço começou. Segundo os especialistas, considerando o tipo de bomba que ele encontrou e manuseou de forma incrivelmente precária, ele teve muita, muita sorte de o artefato não ter detonado e feito todo mundo voar pelos ares.

Isso porque, conforme explicaram as autoridades, a bomba — que tem cerca de 75 anos e continua sendo superperigosa — foi removida do local no qual ela caiu há décadas (e por alguma razão não explodiu). Como se fosse pouco, ela foi transportada com pouco cuidado na caçamba de um caminhão, onde dever ter chacoalhado até o homem chegar em casa.

Essa bomba não-detonada acima foi descoberta em um quintal de Bermondsey, um distrito de Londres, em 2015 (Sgt Rupert Frere RLC/Crown Copyright)

Esse manuseio inadequado pode ter desencadeado mudanças na estrutura do artefato que, por sua vez, poderiam fazer com que os mecanismos químicos de ignição entrassem em ação e levassem à sua detonação. Por conta disso, as autoridades determinaram que o homem e sua família deixassem a residência — assim como todo mundo vivendo em um raio de 300 metros da casa desse cara.

Mas a coisa fica pior... Um time será enviando ainda esta semana para tentar desativar o artefato e, enquanto os profissionais estiverem arriscando suas vidas com o dispositivo, a evacuação será estendida para um raio de um quilômetro do local. E o que vai acontecer com o homem? As autoridades não decidiram ainda, mas, por ter mexido onde não devia, não ter alertado a polícia e levado uma bomba a uma área povoada, o cara poderia ser condenado a cinco anos de prisão.

Mais comum do que parece

Apesar de o caso soar absurdo, curiosamente, de acordo com John, esse tipo de coisa é mais comum do que parece! Só este ano, autoridades polonesas tiveram que evacuar 10 mil pessoas depois de uma bomba nazista não-detonada de 450 quilos ser descoberta na cidade de Bialystock, e em Thessaloniki, na Grécia, 72 mil tiveram que sair de suas casas para que especialistas pudessem remover um artefato de 220 quilos encontrado na localidade.

Bomba não-detonada encontrada em Magdeburg, na Alemanha, em 2013 (EPA/JENS WOLF)

O pior é que, considerando que das 2,7 milhões de toneladas de bombas que — só — as Forças Aliadas lançaram na Europa durante a Segunda Guerra Mundial cerca de 10% não detonaram, a probabilidade de que essas evacuações continuem acontecendo é bastante grande. Aliás, ainda bem que nenhum desses artefatos todos não explodiu acidentalmente!

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.