Moradora de rua marcava encontros no Tinder para ter onde dormir

Moradora de rua marcava encontros no Tinder para ter onde dormir

Último Vídeo

Expulsa de casa ainda em sua juventude por ser lésbica, a britânica Chloë Florence vinha enfrentando sérias dificuldades na vida, algo que a qualificou como moradora de rua em Londres, transitando entre raves e baladas que acabavam tarde, em plataformas de transporte público ou nas imediações de lanchonetes 24 horas. Então, para mudar o cenário, a jovem bolou uma estratégia curiosa e decidiu instalar o aplicativo de encontros Tinder em seu smartphone para conhecer pessoas e ter onde dormir.

Tudo começou há 7 anos, quando a moça conheceu uma turista australiana pelo aplicativo e foram parar em um hostel na cidade londrina. Assim, foi apenas o início de sua longa saga, em que Chloë aproveitava o dia para roubar roupas em shoppings e tomar banho em banheiros públicos. À noite, era hora de acessar o Tinder novamente e tentar encontrar algum match com uma parceira para ter onde dormir.

(Fonte: Mundo Phone/Reprodução)(Fonte: Mundo Phone/Reprodução)

Segundo a jovem, a medida, de certa forma extrema, foi consequência de um passado tenso em que, após ser mandada embora pelos pais, passou a viver em poucos abrigos especializados, mas o abuso e o assédio constantes a fizeram ter que escapar dos locais e tentar se virar com o que a cidade ofertava. "Eu estava apenas vivendo minha vida, sobrevivendo de um encontro difícil a outro no Tinder",comentou em entrevista para o Metro. "Isso melhorou a minha autoestima e, a cada encontro que dava certo, eu tinha um lugar seguro para dormir."

Para não assustar ou perder seus contatos, a moça, que aparecia nos encontros bem vestida e apresentada, sempre escondia sua situação, deixando obscura sua realidade e alterando-a ao contar que, na verdade, era uma comerciante ou uma estudante e que seus pais não a deixavam levar outras pessoas para sua casa. "Com fotos no Instagram, eu me fazia de garota festeira. Eu me tornei a mestre do disfarce", comentou Chloë, afirmando que é ativa nas redes sociais e que passa uma impressão completamente distinta.

Uma nova história, uma nova perspectiva

Atualmente, a britânica conseguiu apoio de uma ONG que ajuda pessoas LGBTQ+ em situações de abandono. A instituição Stonewall Housing, então, forneceu um lar para a moça, dando novas condições e perspectivas de vida, algo que não teve há 7 anos durante os "saltos" no Tinder.

(Fonte: Stonewall Housing/Reprodução)(Fonte: Stonewall Housing/Reprodução)

Planejando contar a sua vida em uma obra literária poética, Chloë Florence também pretende retomar a utilização do Tinder, dessa vez para encontrar o amor de sua vida.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.