39
Compartilhamentos

Violet Gibson: a mulher que tentou matar Benito Mussolini

Muitas pessoas queriam matar Benito Mussolini — e todas elas tinham uma razão para isso. O político foi responsável pelo golpe de Estado de 1922 na Itália, que instaurou uma ditadura por meio do Partido Fascista, subvertendo progressivamente todos os pilares democráticos do país.

Pregando o “nacionalismo revolucionário”, o líder removeu — por meio de todos os meios possíveis — qualquer rastro de oposição política usando sua polícia secreta e consolidou seu poder em uma série de leis que transformaram a nação em uma ditadura de partido único.

Em cerca de 5 anos, Mussolini estabeleceu autoridade ditatorial por meios legais e ilegais com a intenção de criar um governo totalitário. Ele assassinou todos os seus inimigos, aprovou invasões mortais, reprimiu os trabalhadores, privou a liberdade de expressão, criou políticas para enriquecer quem já era rico, usou os judeus como peões políticos, promoveu alianças com Adolf Hitler e chegou a aumentar os pagamentos ao Vaticano a fim de obter apoio para suas políticas opressivas — uma vez que já havia tornado a nação papal uma cidade independente e assinado o Tratado de Latrão, que encerrava décadas de luta entre o Estado italiano e o Papado.

(Fonte: Pinterest/Reprodução)(Fonte: Pinterest/Reprodução)

Entre 1925 e 1927, o líder fascista desmantelou as restrições constitucionais e convencionais, bem como construiu um Estado policial. A lei de 24 de dezembro de 1925 mudou o título de Mussolini de "presidente do Conselho de Ministros" para "chefe do Governo", ou seja, ele só poderia ser removido pelo rei. Finalmente, o homem tinha conseguido o que queria: transformar a Itália em uma ditadura legal.

A ação de Gibson

(Fonte: Myles Dungan/Reprodução)(Fonte: Myles Dungan/Reprodução)

Violet Albina Gibson nasceu em Dublin, na Irlanda, em 31 de agosto de 1876 e era filha de Edward Gibson, um advogado e político que foi nomeado Lorde Ashbourne em 1885, e de Frances Gibson, uma cientista cristã. Foi por isso que Violet Gibson se envolveu com Teosofia antes de se enveredar no catolicismo romano em meados de 1902, aos 26 anos.

Além de sofrer de vários problemas de saúde ao longo de sua vida, há relatos de que Gibson também tinha algum tipo de transtorno mental. No entanto, alguns parecem ter chegado a essa conclusão devido ao colapso nervoso que ela teve em 1922 e que a fez ser considerada louca, causando sua institucionalização por 2 anos.

(Fonte: The Irish Times/Reprodução)(Fonte: The Irish Times/Reprodução)

Apesar desse histórico conturbado, Violet Gibson não era uma pessoa qualquer na sociedade. Por muitos anos, o Irish Times lançou matérias falando sobre ela em sua coluna de moda Inteligência Fashion, ressaltando como ela sabia se vestir bem. No entanto, era claro que eles falavam dela apenas por ser filha de um lorde e ser elegante.

Na sexta-feira de 25 de março de 1925, o jornal revelou que ela tentou suicídio atirando em si mesma. Violet Gibson foi encontrada por hóspedes e funcionários de uma pensão onde estava hospedada em Roma. Um ano após atentar contra a própria vida, a mulher ocupou as manchetes dos jornais novamente.

Um disparo da multidão

(Fonte: Limes/Reprodução)(Fonte: Limes/Reprodução)

Em 7 de abril de 1926, Violet Gibson se armou com uma pedra – para quebrar a janela da casa de Benito Mussolini, se necessário – e um revólver Modèle 1892 enrolado em um xale preto. Então, ela se infiltrou em meio a multidão que se acumulava na Piazza del Campidoglio, em Roma. Todos esperavam o líder sair de uma assembleia no Congresso Internacional de Cirurgiões, onde havia feito um discurso acerca das maravilhas da medicina moderna.

Em meio à multidão, Gibson simplesmente ergueu o revólver e atirou duas vezes. O primeiro disparo foi a esmo, e o segundo atingiu de raspão o nariz de Mussolini. Ela teria sido linchada pelos apoiadores revoltados do líder se a polícia não tivesse interferido e a levado para a prisão.

A mulher foi espancada e torturada enquanto presa. De acordo com o seu histórico, eles concluíram que Gibson estava em estado psicótico no momento do ataque. No entanto, ela disse que estava sã e havia trabalhado sozinha. Atirar em Mussolini, segundo as palavras dela, era para “glorificar a Deus”, que teria enviado um anjo para que ela mantivesse o braço firme quando puxasse o gatilho.

(Fonte: ThoughtCo/Reprodução)(Fonte: ThoughtCo/Reprodução)

Foi encontrado em um dos bolsos de Gibson um pequeno frasco de veneno. Em uma matéria publicada no dia seguinte ao atentado, Constance Gibson, irmã de Violet, declarou que ela havia desenvolvido esse fascínio pela morte desde que o irmão delas, Victor, foi encontrado morto. Isso teria bagunçado para sempre a mente de Violet Gibson, que se perdeu entre a própria vida. Ela nunca superou a morte do irmão.

Em maio de 1927, Violet Gibson foi então deportada para a Inglaterra pelo Partido Fascista, evitando um julgamento público para não piorar a sua situação. A família a internou no sanatório Hospital St. Andrews, localizado em Northampton, onde passou o resto de sua vida confinada até sua morte em 2 de maio de 1956.

Em entrevista ao documentário Violet Gibson, a Mulher Irlandesa que Atirou em Mussolini, o produtor cinematográfico Barrie Dowdall declarou: “Estima-se que pelo menos 3 milhões de mortes podem ser atribuídas diretamente às políticas de Mussolini”, disse ele. “Mas por um milímetro ou dois com uma bala duvidosa, Violet poderia ter mudado todo o curso da história mundial”, ele afirmou.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.