Por que gostamos de ver cravos e espinhas sendo espremidos?

Poucas coisas na vida são mais satisfatórias do que ver uma espinha bem amarelada sendo estourada e desaparecendo da pele de uma vez por todas — ou pelo menos é muito agradável para algumas pessoas. A prova disso é que esse tipo de conteúdo tem ganhado muita atenção no YouTube, tendo alguns dos vídeos ultrapassando a casa de 10 milhões de visualizações.

Mas por que será que assistir esse ato nojento e desagradável gera uma sensação tão grande de satisfação em nossas mentes? Ao longo dos anos, são diversos campos da ciência que andam buscando explicações para as pessoas se interessarem incessantemente por conteúdos que trazem espinhas e cravos sendo estourados.

Erradicando espinhas

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

Enquanto o ato de retirar o pus de uma espinha pode ser uma forma de eliminá-la de uma vez para algumas pessoas, outras parecem se sentir atraídas pelo aspecto grotesco dessas extrações. Como a acne pode ser algo muito frustrante, lidar com ela pode parecer de certa forma empoderador. 

"Isso permite a experiência momentânea e fugaz de ter algum controle sobre um fenômeno que você não escolheu e que terá muitos problemas para erradicar", explicou Marc La France, professor de sociologia da Universidade de Concordia, para a Men's Health.

Esse sentimento de satisfação, dessa forma, também poderia ser obtido através de vídeos. Ao vermos outras pessoas se livrando desses incômodos cutâneos, possuímos a tendência de espelharmos os sentimentos vividos pela outra pessoa durante esse processo e absorver parte da "felicidade" durante a extração do pus. 

Reação neurológica

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

No campo da neurologia, existem alguns argumentos que poderiam nos levar a entender a alegria usufruída dos vídeos da remoção de espinhas. A ação de ficar cutucando espinhas e cravos faz com que nosso cérebro libere uma maior quantidade de dopamina, o hormônico que provoca a sensação de prazer e aumenta a motivação.

Isso faz com que os níveis de estresse caiam momentaneamente e as pessoas se sintam compelidas a repetir esse ato no futuro ou encontrar maneiras parecidas de reviver essa sensação. A ativação desse sistema de recompensa do cérebro se torna algo vicioso e faz com que um indivíduo passe a buscar cada vez mais esse tipo de conteúdo.

Por fim, outros estudos indicam que os seres humanos possuem alta curiosidade por conteúdos negativos. Dessa forma, quem sente satisfação ao assistir vídeos de espinhas estourando provavelmente possui maior propensão a buscar por "conteúdos mórbidos". 

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.