Seja o primeiro a compartilhar

Além de Eduardo Leite: outros políticos LGBTQIA+ no Brasil e no mundo

Um dos principais assuntos da última semana foi a entrevista do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, para o programa de Pedro Bial na Rede Globo: após anos de rumores, ele assumiu ser gay — um governador gay e não um gay governador, nas palavras usadas pelo próprio. 

O posicionamento de Leite rendeu diversos debates sobre representatividade — afinal, ele é o primeiro governador a se revelar gay em um país ainda bastante preconceituoso —, mas também sobre as posições políticas dele, que pouco ajudaram a comunidade do qual ele faz parte. O intuito, aqui, não é levantar essas discussões — embora você possa deixar sua opinião nos comentários — mas sim responder a um questionamento que foi bastante repetido nesses últimos dias: há mais governantes LGBTQIA+ além de Eduardo Leite? Ele foi o primeiro, de alguma forma?

Fátima Bezerra, governadora do RN

No mesmo dia em que a entrevista com Pedro Bial foi divulgada, muitas pessoas nas redes sociais mencionaram Fátima Bezerra, governadora do Rio Grande do Norte, como uma política mulher e lésbica. Bezerra é a única mulher a governar um estado em 2021, mas nunca havia falado abertamente sobre sua sexualidade. 

Depois de ser lembrada, Fátima Bezerra publicou tweets em apoio a Eduardo Leite — apesar das divergências políticas entre os dois, já que ela é do PT e ele do PSDB. 

Fabiano Contarato, senador pelo ES

Apesar do ineditismo nos anúncios de Eduardo Leite e Fátima Bezerra, a verdade é que políticos LGBTQIA+ já começaram a conquistar algum nível de representatividade no poder legislativo, começando com nomes como Clodovil e Jean Wyllys na Câmara dos Deputados, ainda nos anos 2000. 

Contudo, foi apenas em 2018 que o Brasil elegeu seu primeiro senador assumidamente gay. Fabiano Contarato, do Espírito Santo, já disse em entrevistas que sonha com o dia em que não será julgado por sua orientação sexual. Mas, enquanto isso não acontece, é muito importante que um homem como ele faça um bom trabalho no legislativo: além de ser casado com outro homem e pai de um filho adotivo, Contarato é professor de direito e foi delegado da Polícia Civil. 

Fabiano Contarato é o primeiro senador gay do Brasil (Imagem: Istoé Reprodução)Fabiano Contarato é o primeiro senador gay do Brasil (Imagem: Istoé Reprodução)

Katia Tapety, vereadora em Colônia do Piauí

Mas muito antes de Leite ou Contarato, ou até de Jean Wyllys e Clodovil, existiu uma travesti vereadora na cidade de Colônia do Piauí, a 388 quilômetros de Teresina. Katia Tapety serviu por três mandatos, sendo a mais votada da cidade nas eleições de 1992, 1996 e 2000, além de chegar à vice-prefeitura da cidade. Anos depois, já aposentada, ela foi tema de um documentário sobre sua vida.

Chefes de estado LGBTQIA+ apenas na Europa

Algumas pessoas dizem que esse tipo de lista e uma distinção entre políticos LGBTQIA+ e heterossexuais aumentariam o preconceito. A verdade é que a distinção acontece por preconceitos da sociedade — o próprio Eduardo Leite sofreu ataques homofóbicos nas eleições de 2018 — e os políticos se assumirem é, justamente, uma forma de lutar contra isso. Em resumo, quanto mais políticos se assumirem, menos isso será uma questão: vai ser comum ter um prefeito ou governador gay e ninguém vai se importar. Mas até lá...

Ao redor do mundo, ainda é pouco comum que pessoas LGBTQIA+ cheguem longe na política, assumidamente. A primeira chefe de estado lésbica do mundo foi eleita apenas em 2009: Johanna Sigurdardottir, da Islândia, uma ex-aeromoça e líder sindical. Depois de Johanna, Elio Di Rupo, da Bélgica, foi o primeiro homem a chegar ao poder com sua sexualidade já pública: ele se assumiu em 1996 e comandou o país entre 2011 e 2014.

Johanna Sigurdardottir, da Islândia, foi a primeira chefe de estado LGBTQIA+ da história moderna (Imagem: Nordic Labour Journal/Reprodução)Johanna Sigurdardottir, da Islândia, foi a primeira chefe de estado LGBTQIA+ da história moderna (Imagem: Nordic Labour Journal/Reprodução)

A viralização de uma imagem, em 2017, mostra como o caminho da política ainda é raro para as minoriais: Gauthier Destenay, o marido do primeiro-ministro de Luxemburgo, Xavier Bettel, era o único homem na foto das primeiras-damas europeias com Melania Trump, dos EUA. Um homem gay junto às primeiras-damas era algo tão raro que virou notícia mundial. 

Ainda em 2017, Leo Varadkar seria eleito o chefe de estado da Irlanda, levando seu marido Matthew Barrett em vários compromissos oficiais e aumentando o número de "primeiros-maridos" nesses eventos. Atualmente, a Sérvia é chefiada por uma mulher lésbica, Ana Brnabic, cuja parceira teve um filho recentemente. 

A presença do marido do primeiro-ministro de Luxemburgo em uma foto oficial chamou a atenção em 2017 (Imagem: The Guardian/Reprodução)A presença do marido do primeiro-ministro de Luxemburgo em uma foto oficial chamou a atenção em 2017 (Imagem: The Guardian/Reprodução)

Fora da Europa, além de diversos países ainda criminalizarem a homossexualidade, não há registros de chefes de estado assumidamente LGBTQIA+ — há apenas políticos em outros cargos, como no legislativo. Pete Buttgieg, dos EUA, foi o primeiro homem gay a ser pré-candidato à presidência do país, aparecendo em campanha na presença de seu marido — mas ele perdeu a nomeação do Partido Democrata para Joe Biden. 

Assim como Buttgieg, caso o governador do RS continue com os planos de tentar a presidência em 2022, ele pode se tornar o primeiro candidato abertamente gay em nosso país. 

No fim das contas, como dito, a sexualidade dos políticos não deveria importar — e, sim, sua competência para governar. Porém, enquanto formos capazes de contar nos dedos quantos políticos LGBTQIA+ existem, o assunto ainda será necessário. 



Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER