Seja o primeiro a compartilhar

Little Saint James: a ilha de Jeffrey Epstein e seu legado de abuso

Localizada no arquipélago das Ilhas Virgens Americanas, Little Saint James, uma ilha privada de 75 acres, foi outrora o refúgio do bilionário e abusador sexual Jeffrey Epstein. Conhecida como "Little Saint Jeff" pelo seu proprietário, e apelidada de "Ilha dos Pedófilos" pelos locais, a área foi descrita como um esconderijo perfeito para o tráfico de jovens mulheres e meninas menores de idade para servidão e agressão sexual, além de abuso infantil.

Pontuado por recifes de corais, enseadas abrigadas e bosques florestados, o local foi o centro de muitas atividades ilegais, segundo uma queixa criminal do procurador-geral das Ilhas Virgens Americanas. A acusação alega que Epstein e seus associados evitavam a detecção de seus atos vis pelas autoridades e impediam que essas jovens mulheres e meninas escapassem dos maus tratos.

Segredo escondido à vista

(Fonte: Tim Stewart News Limited/Reprodução)(Fonte: Tim Stewart News Limited/Reprodução)

Epstein visitava Little Saint James duas ou três vezes por mês, ficando vários dias de cada vez. A ilha tinha uma equipe de cerca de 70 pessoas, desde jardineiros a capitães de barco, disponíveis a todo momento. Eles eram instruídos a manter-se fora da vista durante o trabalho e também eram proibidos de entrar em qualquer um dos dois escritórios na mansão principal, um dos quais abrigava um cofre de aço fortemente guardado.

Havia sempre mulheres na ilha, às vezes suspeitamente jovens, nos braços do dono ou de um de seus muitos convidados. Entre os nomes famosos supostamente hospedados estavam o físico teórico Stephen Hawking, o comediante Chris Tucker, o ator Kevin Spacey, o magnata da Victoria's Secret Les Wexner, a modelo Naomi Campbell, o ex-assessor de Tony Blair, Lord Peter Mandelson e o Príncipe Andrew do Reino Unido.

Apesar das atividades suspeitas, as autoridades locais parecem não ter feito nada para investigar as viagens repetidas de Epstein com as tais jovens. Dois funcionários que trabalharam na pista de pouso local disseram à Vanity Fair que testemunharam ele embarcar em seu avião particular em várias ocasiões na companhia de meninas que pareciam ser menores de idade.

As garotas chegavam com o homem a bordo de um de seus dois jatos Gulfstream. Entre janeiro de 2018 e junho de 2019, os registros de voo publicados anteriormente mostram que as aeronaves estavam no ar pelo menos um dia a cada três. Eles paravam em todo o mundo, às vezes por apenas algumas horas de cada vez em destinos como Paris, Londres, Eslováquia, México, Marrocos.

A queda de um monstro

(Fonte: Stephanie Keith/Getty Images)(Fonte: Stephanie Keith/Getty Images)

Em julho de 2019, Jeffrey Epstein foi detido, enfrentando acusações de exploração sexual de menores em Nova York e na Flórida entre 2002 e 2005. No mês seguinte à sua prisão, enquanto aguardava o processo em uma prisão federal de Manhattan, Epstein foi descoberto sem vida em sua cela.

A morte foi oficialmente atribuída a um suicídio, embora as circunstâncias que a envolvem tenham alimentado conjecturas e teorias conspiratórias. Mesmo após seu falecimento, muitas vítimas persistiram na busca por justiça, o que resultou em investigações adicionais sobre seus cúmplices e na subsequente venda de sua propriedade em Little Saint James.

Uma transformação em andamento

Em maio de 2023, a propriedade foi vendida por menos da metade de seu preço original para Stephen Deckoff, um investidor rico que anunciou que compraria ambas as ilhas por US$ 60 milhões, com a esperança de abrir um resort de luxo de 25 quartos até o final de 2025.

No entanto, enquanto o futuro da propriedade ainda está em planejamento, Little Saint James tornou-se um ponto de interesse para turistas mórbidos, "exploradores urbanos" e influenciadores de mídia social que tentam acessar o local para gravá-lo. Muitos viajantes parecem interessados neste mistério, levando alguns operadores de barcos locais a incluírem o sinistro lugar em seus passeios.

O legado

A história da ilha e seu proprietário infame serve como um lembrete sombrio do abuso de poder e da exploração sexual. Embora a propriedade esteja em processo de transformação, as memórias de seu passado sombrio permanecem, ecoando nas ondas que batem em suas margens. A esperança é que, com o tempo, a propriedade possa se livrar de seu passado e emergir como um símbolo de renovação e recomeço.

A aparente inação das autoridades locais em relação às atividades de Epstein na propriedade levanta questões sobre a eficácia dos sistemas de justiça em proteger as vítimas de abuso sexual. A história de Epstein e Little Saint James é um lembrete de que a justiça deve ser buscada não apenas pelas vítimas, mas também para prevenir futuros abusos.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.