Conheça o 'Carvalho Acorrentado', uma atração turística assustadora

Conheça o 'Carvalho Acorrentado', uma atração turística assustadora

Último Vídeo

O condado de Staffordshire na Inglaterra é uma região conhecida por quem busca o turismo ecológico por ser uma região com muitas atrações para as famílias, como passeios ao ar livre, jardins, castelos antigos, zoológico e lugares históricos.

Mas o condado, conhecido por suas belezas naturais e diversões, encerra também uma atração turística não convencional, misteriosa e até um pouco sinistra. No famoso parque de Alton Towers, a menos de duas horas de trem de Londres, iremos encontrar um carvalho centenário com os galhos amarrados a grossas correntes de metal.

A origem desses grilhões na velha árvore é uma das lendas mais contadas aos turistas da região, e também a história de mistério preferida dos habitantes de Stafforshire. 

Fonte: Beautiful Leek/Facebook - ReproduçãoFonte: Beautiful Leek/Facebook - Reprodução

A maldição do carvalho

Tudo começou num dia da década de 1830 quando, voltando para sua casa em Alton Towers, o conde de Shrewsbury teve seu caminho barrado por uma mendiga que, parando a carrugem, implorou ao nobre que lhe desse uma ou duas moedas de ouro com que pudesse comprar comida. 

Porém, como nem sempre a nobreza é sinônimo de refinamento, o conde a rejeitou com tal grosseria e violência (pediu que o cocheiro seguisse em frente), que a mulher lançou uma maldição: o homem iria perder um membro de sua família sempre que um galho caísse de um magnífico carvalho que ficava em sua propriedade.  

O conde ainda zombou daquela criatura que julgou insignificante até que, na noite daquele mesmo dia, uma forte tempestade fez com que um dos galhos do carvalho caísse no chão. De forma misteriosa, e exatamente como previa a maldição, um membro da nobre família morreu de causas desconhecidas.

Foi o bastante para assustar o conde que, imediatamente, determinou aos seus criados que prendessem todos os galhos da temível árvore com correntes de metal para impedir que caíssem. 

Alguns dizem que as coisas não aconteceram exatamente dessa maneira. Afirmam, por exemplo, que o mendigo era um homem, e muitos explicam que, antes de acorrentar o carvalho, o conde levou o galho caído para sua casa, onde fez algumas experiências para quebrar a maldição. 

A Lenda das Torres

O fato é que essa trama não passa de uma lenda que foi se transferindo por via oral durante várias gerações. No entanto, existem no local muitas pessoas, até mais jovens, que juram que a história é real.

Entre os passeios vendidos aos turistas há um que se chama HEX - The Legend of the Towers, no qual os visitantes caminham dentro das ruínas sombrias das torres até chegarem numa sala escura. Lá, um curto videoclipe de cerca de 40 segundos mostra imagens do início do século XIX detalhando a forma pelo qual o conde acorrentava os galhos.

A página da atração no site da BBC é uma das que mais recebem comentários. Um dos visitantes reconhece: ""Acredito que tudo é verdade, porque quando o visitei este ano, você poderia dizer, olhando apenas para as correntes, que elas têm quase duzentos anos".

Outro comentarista afirma: "Depois de ler os comentários mais recentes sobre o carvalho acorrentado, acho que a maldição ainda está intacta. Quando fui ver a árvore da última vez, ainda sentia essa presença estranha, sombria e hostil ao redor dela, como se houvesse alguém ou algo assistindo com raiva, algo que não quer que alguém a visite”. 

A maioria dos comentários publicado na página da BBC (link nas Referências) aponta para um fundo de verdade na antiga história do velho carvalho de Alton. Pode ser que as afirmativas apenas simplifiquem a absoluta falta de uma explicação plausível para as grandes e grossas correntes enroladas na árvore.

Fonte: RiderRater/Facebook - ReproduçãoFonte: RiderRater/Facebook - Reprodução

Verdade ou ficção?

Alguns visitantes buscam explicar o fato de forma racional e dizem que as contenções podem ter sido instaladas pelos habitantes locais para impedir que a gigantesca árvore desabasse sobre si mesma. Porém, além de não existirem evidências disso, é provável que tivessem usado cordas num tempo em que correntes estavam ligadas apenas a prisões e fortificações. 

O jornal local, Stoke Sentinel, apresenta alguns elementos que poderiam confirmar a veracidade dos relatos tradicionais. O periódico atesta que as correntes foram forjadas no início dos anos 1800, que é o período próximo à data do alegado incidente do conde. Há também os degraus de pedra que levam ao carvalho e uma clareira ao redor, construída por trabalho humano. 

De qualquer forma, o carvalho permanece lá. Inabalável e com suas correntes. O que nos leva a três possíveis conclusões: ou o conde ordenou o seu aprisionamento, ou gerações posteriores resolveram pregar um peça (trabalhosa) nos visitantes. Ou, quem sabe, talvez a árvore seja mesmo amaldiçoada.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.