No fim das contas, a ansiedade pode até salvar a sua vida

Quando falamos em ansiedade, normalmente pensamos em sentimentos negativos, frustrações, medos, incertezas etc. Com o tempo, caso não tratada, isso pode evoluir para um Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG), que também reflete em sua saúde física, podendo acarretar em problemas de refluxo, hipo ou hipertiroidismo, doenças cardiovasculares, irritação, fadiga extrema e dificuldades de concentração.

Mas com tantos fatores ruins, como a ansiedade pode salvar a sua vida? Normalmente, quem sofre de TAG costuma ser mais atento a mudanças no corpo. Essas pessoas procuram ajuda médica mais rapidamente se notarem algum sintoma incomum para sua ansiedade. Em casos de infarto agudo do miocárdio com supra do segmento ST, o atendimento precoce é fundamental para evitar o óbito.

Pesquisadores alemães publicaram na Clinical Research in Cardiology os resultados de um estudo feito com 619 pacientes que tiverem esse tipo de infarto. Desse total, 71 pacientes foram diagnosticados com TAG. As mulheres com esse transtorno costumavam procurar um hospital em até 112 minutos após notarem algum sintoma estranho. Já mulheres sem TAG levavam em média 238 minutos para isso – mais do que o dobro!

charlie brown

Apesar de a ansiedade, de um modo geral, ser associada a riscos cardíacos, ela pode deixar as pessoas mais atentas a qualquer mínima mudança nos sintomas. E em casos de infarto agudo, quanto menor o tempo de atendimento, melhor para o paciente – tanto no quesito de sobrevivência quanto no de viver sem sequelas.

Outro detalhe comum entre os pacientes de TAG é a sensação – quase irracional – de que algo iminente está prestes a acontecer. Por isso, quando os primeiros sintomas aparecem, como uma dor aguda no tórax, tontura e falta de ar, eles correm para um pronto atendimento onde conseguem reverter o infarto. Ainda que viver com TAG seja algo bastante desconfortável, pelo menos o transtorno pode ser uma garantia maior de vida longo.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.