Próxima Parada: Itália — um dos mais proeminentes berços culturais do mundo
52
Compartilhamentos

Próxima Parada: Itália — um dos mais proeminentes berços culturais do mundo

Último Vídeo

Em sua forma atual, a Itália tem suas raízes não muito distantes no tempo. Quer dizer, a “bota” e a “bola” que talvez tenham surgido na sua mente agora datam de 17 de março de 1861, ocasião em que o país ganhava a forma de um estado unitário — processo que teve apoio substancial da França e da Inglaterra.

Entretanto, não é preciso percorrer mais do que algumas quadras da capital, Roma, para perceber que o DNA italiano é muito mais antigo do que fazem supor os estereótipos de programas de TV ou a adorada (ou odiada) “Azurra”, a Seleção Italiana de Futebol.

Ao caminhar pelas ruínas do coliseu, ao contemplar a belíssima — e riquíssima — arquitetura da Basílica de São Pedro, tornam-se claras as suas origens na Roma antiga, nos estados fragmentados que acabaram por servir de incubadora para um dos movimentos político-culturais de eco mais distinto na história humana.

Dessa forma, viajar pela Itália é tanto uma aventura sensorial quanto um périplo cultural de envergadura ímpar. E vale observar isso tudo um pouco mais de perto, é claro.

Os dominadores da Península Itálica

Dizem que Roma foi fundada por dois sujeitos particularmente sortudos. Conta-se que os míticos irmãos gêmeos Rômulo e Remo apenas puderam lançar a pedra fundamental da civilização romana — cuja data tradicionalmente aceita é a de 21 de abril de 753 a. C. — porque uma loba particularmente pródiga resolveu lhes dar de mamar.

Seja como for, é fato que aquela civilização surgida a partir de pequenas comunidades agrícolas ocupou não apenas a península Itálica do século VIII a. C, mas chegou mesmo a tomar conta de uma imensa parte do mundo antigo. Em sua fase territorialmente mais próspera, sob a batuta do rei Trajano, o Império Romano chegou a compreender uma área com mais de 5 milhões de quilômetros quadrados.

E as brasas daquele período triunfante podem ser percebidas ainda hoje. “A influência duradoura romana é refletida difusamente na linguagem, literatura, códigos legais, governos, arquitetura, engenharia, medicina, esportes, artes, entre muitos outros aspectos da vida contemporânea. Muito disso está tão intricado à nossa cultura que mal nos damos conta da nossa dívida com a Roma antiga”, conforme consta no artigo “O Mundo Segundo Roma”, da revista National Geographic.

O humano no centro do cosmos

É praticamente impossível pensar no legado cultura de Roma e, consequentemente, da Itália sem trazer à mente o período de efervescência cultural conhecido como “Renascença”. Entretanto, embora o Davi de Michelangelo e o “homem vitruviano” de Leonardo da Vinci ocupem hoje grande parte do imaginário do senso-comum, é comum que o animus que motivou o período histórico seja, ao menos em parte, neglicenciado.

Entende-se por Renascimento o período compreendido entre fins do século XIV e início do século XVII todo ele orientado ao humanismo e ao naturalismo. Em outras palavras, embora a religião ainda fosse uma constante, há um resgate sistemático os valores e das artes praticadas há muitos séculos antes, por outra civilização particularmente prolífica do ponto de vista cultural: a Grécia Antiga.

Nas mãos dos artistas proeminentes à época, o ser humano passa a ser retratado em posição privilegiada sempre que se procura representar a natureza. Trata-se, ademais, de um processo de “matematização” dos processos naturais — o que, naturalmente, se estende também para a política e para as mais variadas formas de expressão artística.

O berço da Igreja Católica

O sincretismo na Itália é notável, assim como os sucessivos movimentos dialéticos que levaram as populações da península itálica para a divindade e dali, novamente, para o humano como criatura privilegiada e racional. Uma prova? Além de ser o berço da Renascença, a Itália também é notória por carregar a própria imagem da Igreja Católica — tanto em sua forma assumida durante a Idade Média quanto na atual.

Com mais de 2 mil anos de história, a Igreja Católica Apostólica Romana é considerada a instituição mais antiga ainda em funcionamento — tendo carregado a própria imagem do poder político teocêntrico durante a Idade Média. O impacto da Igreja Católica nas artes sacras tem também peso inquestionável.

Economia formal (e informal)

Após a Segunda Guerra Mundial, a Itália passou rapidamente de um estado predominantemente agrícola para uma das maiores economias do mundo. Apesar dos cenários de crise desenrolados nos últimos anos — em resposta ao próprio momento histórico da União Europeia —, a Itália é hoje o oitavo país com maior qualidade de vida, ocupando a 23ª posição no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

Em termos de produtos, a Itália é bastante conhecida por seus automóveis, por seus eletrodomésticos e, é claro, também por seu vinho — sendo atualmente o maior produtor mundial da bebida. Destaque também para o design e a moda — embora, como mostrou o jornalista napolitano Roberto Saviano, uma grande parte desse negócio ainda é ocupada por organizações mafiosas, sobretudo pela Camorra.

A “Bola”

A Sicília certamente mereceria um artigo à parte. Embora seja parte da República Italiana, a “Bola” sob a “Bota” possui características geográficas e culturais notavelmente próprias. Um exemplo típico? A língua. Embora o italiano seja a língua oficial da ilha, a maior parte dos nativos fala também o “siciliano”.

Mas a Sicília é também um paraíso turístico cada vez mais em voga. Há inúmeros sítios arqueológicos que revelam prontamente milhares de anos de história — Taormina e Cafalù, por exemplo. Além disso, perambular por ruas antiquíssimas de pequenas comunas (como Troina) deixa uma impressão bastante duradoura.

Se for à Itália, não deixe de visitar:

Basílica de São Pedro

Coliseu de Roma

Torre de Pisa

Basílica de São Marcos

Grande Canal de Veneza

Catedral de Milão

Palazzo Vecchio

Vesúvio

Etna (Sicília)

Taormina (Sicília)

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.