Listvyanka
49
Compartilhamentos

10 destinos incríveis de que talvez você nunca tenha ouvido falar

Último Vídeo

Você já conferiu aqui no Mega Curioso alguns dos países menos visitados do mundo, mas que guardam paisagens e riquezas sensacionais em seus territórios, sendo que muitos podem ser ótimas opções de viagem.

Agora, seguindo essa linha, vamos apresentar dez destinos incríveis de viagens que talvez você nunca tenha ouvido falar. São locais pouco, ou nunca, cotados como indicações em agências de viagens, mas que um casal britânico aventureiro descobriu em suas várias jornadas pelo mundo.

Sophie Ibbotson e Max Lovell-Hoare uniram a sua paixão por explorar o mundo a uma companhia que fundaram em 2008. A empresa do casal promove o investimento em países em desenvolvimento e já trabalhou em mais de 30 países na Europa, África e Ásia, incluindo zonas de conflito e pós-conflito, como Afeganistão e Sudão do Sul.

Com base em suas experiências, eles escreveram um guia especial de viagens com esses destinos bem diferentes e que foram divulgados em um artigo da seção de viagens do The Telegraph.

É claro que, dependendo do local, é necessário bastante estudo prévio sobre os costumes, religiões e tradições para não acabar se dando mal em algumas situações. Confira abaixo quais os destinos escolhidos pelo casal Sophie e Max:

1 – Meroé, entre o Egito e o Sudão

Meroé é uma cidade antiga que fica às margens do Rio Nilo, na Núbia, sendo compartilhada entre o Egito e o Sudão. A cidade foi a capital do reino de Cuche entre o século 7 antes de Cristo e o século 4.

O local abriga mais de duzentas pirâmides que datam de 800 a.C. Segundo o The Telegraph, embora sejam bem menores em relação às pirâmides de Gizé, no Egito, as estruturas de Meroé se mantêm intactas, oferecendo obras antigas perfeitas para se admirar em uma viagem incomum.

Além das pirâmides, existe muito mais em Meroé, pois escavações arqueológicas encontraram bronzes romanos, esculturas e cerâmica, muitas das quais estão em exposição no Museu Nacional, em Cartum. Meroé é um Patrimônio Mundial da UNESCO e vale muito a pena a visita. Quem estiver no Egito, vale dar uma esticadinha até lá.

2 – Nukus, Uzbequistão

Nukus é a sexta maior cidade do Uzbequistão, e a capital da república autônoma Karakalpakstan. Ela se desenvolveu de um pequeno povoado a uma grande e moderna cidade com avenidas largas e grandes edifícios, antes pertencente à União Soviética.

A cidade sediava o Instituto de Pesquisa Química do Exército Vermelho, um importante centro de pesquisa e testes de armas químicas. Nukus não é realmente um destino típico de turismo, porém, por trás de sua aparência de uma cidade comum, ela guarda algo bastante interessante: a Galeria Savitsky.

Conhecido também como o Museu de Arte Proibida, este detém a mais importante coleção do mundo de pintura russa avant-garde do século 20, incluindo obras importantes de Sokolov, Komarovskiy e do grupo Amaravella.

Segundo o The Telegraph, as obras de arte foram coletadas pelo curador do Museu de Arte do Estado Karakalpakstan na década de 1960. Ele adquiriu obras proibidas de artistas soviéticos perseguidos, conseguindo os itens muitas vezes por pouco ou nenhum dinheiro.

3 – Mashhad, Irã

Mashhad (ou Meshed) é uma cidade iraniana que fica na província do Coração Razavi, no nordeste do país. É o local onde fica o túmulo de Imam Reza (o líder Ali al-Ridha – que viveu de 765 a 818). Além disso, depois de Meca e Medina, é um dos locais de peregrinação mais importantes do mundo islâmico.

De acordo com as informações de viagem do casal Sophie e Max, a mesquita do século 9 é a maior do mundo (por dimensão, ao invés de capacidade de pessoas) e não muçulmanos são convidados a explorar os pátios e salas de oração, bem como assistir a palestras gratuitas em inglês sobre a história do santuário e do significado de Imam Reza.

4 – Kakheti, Georgia

Kakheti (ou Cachétia) é uma província da Georgia oriental conhecida pela produção de vinhos. Segundo o The Telegraph, os georgianos já produzem vinho há mais de oito mil anos, então experiência é o que não falta, não é verdade?

De uns anos para cá, tem havido um interesse maior de turistas e do mercado vinícola nas técnicas mais tradicionais de vinificação. Isso fez com que a região se destacasse com os seus vinhos, que hoje aparecem até nas cartas dos mais famosos restaurantes do mundo, como o The Fat Duck, Hibiscus e Nobu.

Além disso, a região se destaca com outras atrações, como a cidade de pedra de Uplistiske, que tem três mil anos de idade, o Mosteiro Ikalto, adegas sacramentais, além das vinhas e adegas de Lagvinari.

5 – Reserva dos Tigres Kanha, Índia

Você conhece a história de Mogli, o menino lobo? Ela foi inspirada em um livro escrito por Rudyard Kipling, em 1894, chamado O Livro da Selva. O escritor se inspirou em um local para escrever essa publicação: a Reserva dos Tigres Kanha, em Madhya Pradesh, na Índia.

Atualmente, o parque nacional da reserva abriga 106 tigres, bem como leopardos, macacos e uma variedade impressionante de pássaros. Quem quiser se hospedar na região, é possível ficar no Kipling Camp, onde mora um elefante famoso por ter inspirado o best-seller de Mark Shand, Travels on my Elephant.

6 – Socotra, Iêmen

Socotra (ou Socótora) é um pequeno arquipélago formado por quatro ilhas no oceano Índico, em frente à costa do Chifre da África (Corno de África), ficando a 250 quilômetros a leste do cabo Guardafui e a uns 380 quilômetros a sudeste da costa do Iêmen.

O local tem uma beleza extraordinária com centenas de espécies de plantas. Há poucas estradas em Socotra, mas é possível fazer um trajeto em toda a ilha a pé ou de camelo em uma semana, podendo também fazer um safári de jipe. No site Socotra Trek, é possível agendar passeios botânicos.

Apesar de tanta beleza, o lugar anda um tanto perigoso. Segundo o editor do The Telegraph, existe um alerta contra viagens ao Iêmen atualmente, pois há uma elevada ameaça de raptos de turistas por tribos armadas, criminosos e terroristas. Portanto, nesse caso, é melhor esperar para ver se a situação melhora.

7 – Zanskar, Índia

No alto do planalto tibetano e aninhado entre a Caxemira e Ladakh fica Zanskar, uma das partes mais bonitas e ainda isoladas do Himalaia indiano. Apesar de ser um pouco difícil a sua acessibilidade, Zanskar guarda belas paisagens e estruturas, como antigos mosteiros budistas, fortalezas e palácios em ruínas.

Além disso, a vasta região de montes pode favorecer a observação do leopardo da neve. Ainda não há a apossibilidade de realizar turismo em massa no vale – o que é bom, na verdade, pois ainda é possível encontrar rotas inexploradas de caminhadas e você tem uma boa chance de ser o único estrangeiro do lugar.

8 – Kamchatka, Rússia

Kamchatka é o nome de uma península remota no extremo nordeste da Rússia que é um museu natural de vulcanologia com cerca de trezentos vulcões, dos quais 29 estão ativos. Kamchatka também é listada como um Patrimônio Mundial da UNESCO.

Além dos vulcões, o local é repleto de fontes naturais termais. A selva de Kamchatka é, em grande parte, despovoada e tem muito pouca infraestrutura civil. A península abriga a maior concentração mundial de ursos marrons, bem como raposas, linces, renas e alces.

9 – Cerro de los Siete Colores, Argentina

O Cerro de los Siete Colores é um local belíssimo e muito interessante da Argentina. Ele é um dos morros que cercam a Quebrada de Purmamarca, na província de Jujuy. A gama de cores observada no paredão de rochas é o resultado de uma complexa história geológica, que inclui sedimentos marinhos, lacustres e fluviais elevados por movimentos tectônicos ao longo de 400 milhões de anos.

As cores ficam mais vibrantes nas primeiras horas após o amanhecer, e a melhor maneira de explorar a região é a pé, de preferência com lhamas para transportar a bagagem.

10 – Listvyanka, Rússia

A estância balneária de Listvyanka fica às margens do Lago Baikal, na Sibéria. O maior lago do mundo em volume de água é um destino de férias popular do verão para os russos, que também aproveitam os belos arredores para se exercitar em caminhadas, fazer piqueniques e curtir esportes aquáticos.

A linha de trem Trans-Siberiana corre ao redor do lago. Nos meses de inverno, quando o lago está congelado, Listvyanka se torna um resort de esqui com vistas impressionantes de Baikal. As atividades alternativas de inverno incluem pesca no gelo e passeios de trenós puxados por cães, seguidos por uma visita à sauna e muita vodca para "esquentar o corpo".

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.