Zumbis medievais: corpos eram mutilados para evitar a volta de mortos-vivos
125
Compartilhamentos

Zumbis medievais: corpos eram mutilados para evitar a volta de mortos-vivos

Último Vídeo

Se você pensava que os zumbis eram um fenômeno da cultura pop, um conceito que surgiu recentemente, saiba que o medo aos mortos-vivos existe há muito, muito tempo. Prova disso são as evidências encontradas por arqueólogos que indicam que os ingleses da Era Medieval tinham verdadeiro pavor dessas criaturas — tanto que eles se davam ao trabalho de cortar os corpos dos mortos em pedacinhos, quebrar seus ossos e queimar os esqueletos, tudo para garantir que eles não voltariam para assombrar os vivos!

Eles já eram temidos na Era Medieval

De acordo com Maev Kennedy, do The Guardian, as evidências — da luta contra o possível apocalipse zumbi — foram descobertas depois de os arqueólogos avaliarem uma coleção de 137 fragmentos de ossos humanos. Os itens foram identificados como sendo de 10 indivíduos diferentes (cinco homens adultos, duas mulheres e três crianças pequenas) com idades entre 2 e 50 anos.

Guerra contra os mortos-vivos

Segundo Maev, as ossadas foram encontradas há mais de 50 anos nas ruínas do antigo vilarejo de Wharram Percy, no condado de Yorkshire, na Inglaterra, e foram datadas entre os séculos 11 e 14. Depois de avaliar as marcas de queimadura presentes nos ossos e a forma como eles foram cortados, os cientistas concluíram que aquelas pessoas não haviam sido vítimas de um massacre ou canibalizadas.

Local onde o vilarejo de Wharram Percy se encontrava

Cadáveres com sinais de canibalismo já foram achados em outros sítios arqueológicos da Inglaterra — prática que não era incomum durante períodos de fome —, mas, nesses casos, os ossos geralmente mostram marcas de corte próximo às juntas. Os sinais observados agora são diferentes e parecem indicar que os corpos foram desmembrados após a morte.

Assim, a explicação mais plausível que os arqueólogos encontraram foi que os cadáveres foram mutilados propositalmente para evitar que eles levantassem de suas covas. Conforme disseram, se for esse o caso, as marcas encontradas nos ossos correspondem à primeira evidência arqueológica já descoberta na Inglaterra da luta contra os zumbis — ou, nas palavras dos pesquisadores, “da tentativa de evitar que os mortos voltassem para prejudicar ou ferir os vivos”.

Ilustração que mostra como era o vilarejo

Curiosamente, existem várias “receitinhas” da Era Medieval sobre como lidar com os mortos-vivos, como desenterrar os corpos, decepar suas cabeças e torriscar seus ossos. As pessoas da época acreditavam que esses pobres defuntos eram sujeitos amaldiçoados, ou que tinham sido malvados mesmo, e que eles ainda guardavam rancor pelos que continuavam vivos — e podiam voltar para espalhar doenças ou a morte. Sinistro, né?

*Publicado em 4/4/2017

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.