Seja o primeiro a compartilhar

Por que a Procissão do Fogaréu é confundida com a Ku Klux Klan?

As ruas da cidade de Goiás (GO) são tomadas por pessoas encapuzadas durante a Semana Santa, usando túnicas e com tochas nas mãos, para uma tradicional cerimônia católica que muitas vezes é confundida com reuniões da organização supremacista americana Ku Klux Klan (KKK), devido às roupas dos participantes.

Trata-se da Procissão do Fogaréu, que ocorre desde 1745 na madrugada da quinta-feira santa na antiga capital de Goiás e é acompanhada por milhares de pessoas. Ela só deixou de acontecer em 2020 e 2021, por conta da pandemia do novo coronavírus.

Esta encenação, realizada pela primeira vez em meados do século XVIII, conta com a participação de 40 farricocos, vestidos a caráter, que representam os soldados romanos. Eles seguem descalços pelas ruas de pedra, acompanhados pela multidão, até a escadaria da Igreja de Nossa Senhora do Rosário.

(Fonte: Agência Brasil/Reprodução)(Fonte: Agência Brasil/Reprodução)

A Procissão do Fogaréu encena os eventos que resultaram na perseguição e na prisão de Jesus Cristo, antecedendo a sua crucificação. Ela é uma das maiores tradições da Semana Santa em todo o Brasil e também costuma ser realizada em outras cidades.

Procissão do Fogaréu x Ku Klux Klan

A cerimônia católica não tem nenhuma relação com o movimento que defende a supremacia branca surgido nos Estados Unidos, no século XIX. A KKK é conhecida por promover atos terroristas contra pessoas negras e simpatizantes dos direitos dos negros.

O que pode levar as pessoas a confundi-las é a vestimenta parecida, uma túnica comprida acompanhada de um longo capuz pontiagudo, consistindo em um traje de origem medieval que era usado por penitentes para esconder a sua identidade.

Membros da KKK. (Fonte: Wikimedia Commons)Membros da KKK. (Fonte: Wikimedia Commons)

Embora haja uma clara diferença entre Procissão do Fogaréu e KKK, inclusive nas roupas (a encenação católica possui cores variadas para não ser associada aos grupos intolerantes), manifestantes usaram a farda dos farricocos na cidade de Goiás para fazer apologia à tortura no sábado (1º).

A manifestação foi repudiada por entidades como a Associação Cultural Pilão de Prata da cidade de Goiás e a Organização Vilaboense de Artes e Tradições (OVAT), que condenaram o uso das roupas no ato e pediram ao Ministério Público e à Polícia Civil para investigar o caso.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER