Você já pensou em viver para sempre? Parece ficção científica, mas para Aubrey de Grey, cientista e pesquisador inglês, isso é muito possível. Conhecido como “cientista da imortalidade”, o biomédico gerentologista — com PhD pela Universidade de Cambridge — afirma que os seres humanos podem viver por mil anos.

A seu ver, o envelhecimento pode ser perfeitamente evitável, pois ele consiste em um conjunto de mudanças moleculares e celulares acumuladas e, eventualmente, patogênicas em nossos corpos. A receita da longevidade seria um trabalho contínuo de reparo e manutenção: removendo precocemente os primeiros sinais de envelhecimento do corpo antes que eles se acumulem e causem prejuízos ao organismo.

(Shutterstock)

Para Aubrey, as novas tecnologias, como o uso da terapia de células-tronco, podem ser usadas para tratar doenças e parar o envelhecimento. De Grey calcula que há 50% de possibilidade de as terapias necessárias para reter o envelhecimento estarem disponíveis dentro de 25 anos. 

Suas ideias parecem audaciosas, mas, em 2005, o MIT — Instituto de Tecnologia de Massachusetts — ofereceu um prêmio de 20 mil dólares a qualquer cientista que pudesse demonstrar a ineficácia das pesquisas do britânico e, até hoje, ninguém conseguiu.

Atualmente, o cientista está à frente da Fundação SENS, ONG californiana que patrocina e financia pesquisas de rejuvenescimento científico.  Dono de um visual excêntrico, ele está de malas prontas para o Brasil para divulgar suas ideias em uma palestra no FIRE 2017, que ocorrerá entre os dias 16 e 17 de agosto em Belo Horizonte.

*Via assessoria.