Botaram a culpa nos bichos! Ratos podem não ter espalhado a Peste Negra
812
Compartilhamentos

Botaram a culpa nos bichos! Ratos podem não ter espalhado a Peste Negra

Último Vídeo

Sabe a Peste Negra, aquela doença sinistra que ficou especialmente conhecida por causar uma epidemia avassaladora que dizimou mais de um terço da população europeia em meados do século 14, né? Na realidade, vários surtos de peste ocorreram ao longo da História, e só nesse que aí mencionamos — que ocorreu entre os anos de 1347 e 1351 —, cerca de 25 milhões de pessoas perderam suas vidas.

Médicos da Peste Negra(Medicine Through Time)

Hoje nós sabemos que a peste é uma doença altamente infecciosa provocada pela bactéria Yersinia pestis — e por muito tempo acreditou-se que a enfermidade era transmitida por meio das picadas de pulgas de ratos que, no caso da epidemia do século 14, teriam chegado ao Velho Continente a bordo de embarcações vindas do Mar Negro e desembarcado em um porto na Sicília.

No entanto, um estudo recente conduzido pela Universidade de Oslo, na Noruega, sugere que, apesar de os coitados dos ratos terem levado a culpa de espalhar a peste na Europa, parece que os verdadeiros responsáveis foram os humanos mesmo — transmitindo a doença de um para o outro!

Peste pestilenta

Talvez você não saiba, mas a Yersinia pestis pode infectar as pessoas de três formas, ou seja, através das vias respiratórias, causando a “peste pulmonar”, por meio da corrente sanguínea, dando origem à “peste septicêmica”, e através dos linfonodos, resultando na “peste bubônica” — que é a que mais conhecida.

Doentes da Peste Negra(Cosmos Magazine)

Na maioria das vezes, esse tipo de peste é transmitido por meio da picada de parasitas infectados pela bactéria, como as pulgas. Acontece que, além de pulgas de ratos, também existem pulgas que se proliferam em humanos — sem falar que esses bichinhos não são os únicos hospedeiros que podem transmitir a doença. Segundo os cientistas, os piolhos também podem, e o que não faltava eram pessoas piolhentas e pulguentas na Europa do século 14!

E o que levou os cientistas a “eximir” os ratos da responsabilidade de provocar uma das maiores matanças da História? De acordo com as evidências arqueológicas, o clima da época não era favorável para a reprodução dos roedores e, para que a epidemia tomasse a proporção que tomou, o número de ratos teria que ser abismal. Sem falar que, para que as pulgas tivessem deixado os animais para se “aninhar” em humanos, seus hospedeiros originais deveriam ter morrido antes. Aos milhões. E cadê os esqueletinhos dos bichos?

Simulações

Bem, os pesquisadores da Universidade de Oslo analisaram um total de nove surtos de peste que ocorreram ao longo de um período de cinco séculos e que foram registrados na Europa, no Norte da África e no Oriente Médio, incluindo o que aconteceu no século 14.

Vítimas da Peste(Science)

Depois, eles criaram um modelo para testar três cenários diferentes de transmissão da peste, um considerando de pulgas de ratos para humanos, outra de pulgas e piolhos humanos para humanos e, a terceira, por meio da transmissão aérea de humano para humano. Então, os cientistas rodaram as simulações.

O modelo apontou que o cenário de transmissão de “humano para humano” resultaria em um número de mortos que aumentaria gradualmente até alcançar um pico de vítimas ocorrendo mais tarde do que o da epidemia de Peste Negra. Já ao cenário de transmissão de “pulga de rato para humano” apresentou um pico de vítimas semelhante ao do surto do século 14, mas teria ocasionado mais mortes do que as que foram registradas então.

Médico da Peste Negra(Off Grid Survival)

Por outro lado, o cenário de transmissão de “parasitas humanos” — como pulgas e piolhos — bateu certinho com os dados que constam nos registros históricos, tanto no que diz respeito à linha de tempo da epidemia como à taxa de mortes que ela ocasionou. Portanto, segundo concluíram os cientistas, parece que os ratos foram responsabilizados erroneamente por espalhar a Peste Negra.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.