Acidente nuclear na Rússia em 2017 foi ocultado, dizem cientistas

Acidente nuclear na Rússia em 2017 foi ocultado, dizem cientistas

Último Vídeo

Um acidente nuclear não revelado pelas autoridades pode ter acontecido na Rússia em 2017. A afirmação é de um grupo de cientistas intitulado "‘Ring of 5" (algo como "círculo de cinco" em português), que vasculha a Europa desde a década de 1980 em busca de níveis elevados de radiação, e foi divulgada em um estudo publicado no último mês de julho.

(Fonte: Pixabay)

Na pesquisa, os cientistas afirmam ter detectado uma liberação sem precedentes de radiação na Europa e na Ásia, que provavelmente tenha como origem a instalação nuclear de Mayak, onde funcionava o antigo programa soviético de armas nucleares, localizada a 150 quilômetros de distância da cidade de Ecaterinburgo.

O elemento radioativo encontrado por eles foi o rutênio-106, de acordo com Georg Steinhauser, professor da Universidade de Hannover (Alemanha) e um dos mentores do estudo. Em entrevista ao Business Insider, ele disse que essa foi a primeira detecção do elemento no ar desde o acidente nuclear de Chernobyl, em 1986.

Autoridades russas negam o suposto acidente nuclear

Rastreando o caminho do isótopo radioativo de volta ao seu local de origem durante quase dois anos, Steinhauser e sua equipe determinaram que todas as evidências apontavam para a instalação de Mayak como a fonte da radiação, local do terceiro pior acidente nuclear da história — a explosão de Kyshtym, em 1957.

Instalação de Mayak, na Rússia. (Fonte: Wikimedia Commons)

O estudo explica ainda que a liberação maciça de rutênio pode ter acontecido durante o reprocessamento de combustível nuclear usado nos reatores, processo que separa elementos utilizáveis de produtos de fissão e outros materiais.

Enquanto os cientistas do “Ring of 5” têm certeza do acidente nuclear, as autoridades russas negam que houve algum vazamento em Mayak. O governo até reconhece a detecção de níveis elevados do rutênio-106 na região dos Montes Urais, em 2017, mas afirma que a radiação teria vindo de um satélite defeituoso que se queimava na atmosfera.

Ameaça à saúde e ao meio ambiente? 

Segundo Steinhauser, os níveis de radiação detectados pela equipe não são uma ameaça imediata à saúde das pessoas ou ao meio ambiente. Porém, as consequências a longo prazo são desconhecidas. 

Ele acredita que possa ser necessário monitorar a segurança dos alimentos cultivados pela população na região, para verificar se houve a contaminação do solo e da água pelo rutênio.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.