Seja o primeiro a compartilhar

Incestos foram responsáveis por deformidades em maxilares de reis

Uma equipe de dez geneticistas e cirurgiões foram recrutados para analisar a estrutura óssea de 66 retratos de 15 membros da dinastia da Casa de Habsburgo, família de poderosos governantes, entre o século 13 e 20, que ocuparam diversos cargos de poder na Áustria, Espanha e Portugal, a fim de diagnosticá-los com o prognatismo mandibular e identificar alguma relação entre a condição e a hereditariedade, já que a família era conhecida por ter a madíbula inferior avantajada.

Outra característica marcante dos membros de Habsburgo e, talvez determinante na constituição genética das gerações, eram os constantes atos incestuosos, que justificavam a permanência do sangue real no poder e a manutenção da dinastia, com a realização de casamentos entre parentes e fortalecendo os fatores genéticos.

Além dos maxilares, os Habsburgo também apresentavam narizes proeminentes e queixos pouco desenvolvidos, fatores que se repetiam e se estabilizavam à medida que os incestos tornavam-se mais recorrentes e comuns. O quadro clínico passou a ser conhecido como "Mandíbula de Habsburgo" e logo os estudiosos passaram a relacioná-lo com os atos consaguíneos, apesar da incerteza por ter sido baseado em estudos inspirados em obras de arte, ou seja, adaptações da realidade.

Atualmente, com o avanço da tecnologia, os casos de maxilares e queixos defeituosos podem ser facilmente corrigidos com a aplicação de técnicas dentárias e aparelhos ortodonticos, mas a ausência clínica total na época do Rei Carlos II fez a equipe priorizar os casos de hereditariedade genética nas famílias reais.

https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Biologia/noticia/2019/12/incestos-causaram-deformidade-maxilar-em-familia-real-de-seculos-atras.html
(Fonte: Juan de Miranda Carreno/Wikipedia Commons)

Observações foram ponderadas pelo geneticista Francisco Ceballos, reforçando que “a consanguinidade é uma porta de entrada para conhecer a arquitetura genética de uma característica” e sugerindo que o prognatismo mandibular é uma condição recessiva que surgiu em casamentos endogâmicos, já que era a única forma de herdar as cópias semelhantemente defeituosas. O médico conclui que “os reis são um laboratório para estudar os efeitos da consanguinidade humana”, e atualmente está voltado para pesquisas na dinastia dos Bourbons, a fim de estender sua pesquisa.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER