Seja o primeiro a compartilhar

DNA de garota é detectado em 'chiclete' de quase 6 mil anos

Arqueologistas da Dinamarca conseguiram extrair o genoma completo, o microbioma oral e o DNA dos alimentos que foram ingeridos por uma mulher da Idade da Pedra. Tudo isso foi descoberto a partir de um alcatrão de bétula que ela mastigou.

O alcatrão era utilizado pelos neolíticos como um adesivo para consertar cerâmicas ou ferramentas. Para isso, era necessário trabalhá-lo de uma forma que conseguisse alcançar a sua forma mais flexível. E era provavelmente isso que a garota estava fazendo ou, talvez, ela poderia estar apenas aproveitando algum tipo de "chiclete" da Idade da Pedra.

A pesquisa foi liderada por Hannes Schroeder e Theis Jensen, respectivamente, arqueólogo e bioarqueólogo da Universidade de Copenhague, e publicada na revista Nature Communication.

A publicação chamou atenção para o fato de como uma bétula mastigada pode ser uma fonte para o DNA humano e, a partir disso, apresenta ser um campo de pesquisa de grande potencial para o entendimento da história, da saúde e dos processos de subsistência dos povos antigos.

Informações encontradas no "chiclete"

No caso de Lola, nome dado pelos pesquisadores à mulher dinamarquesa, foi possível definir como ela era, o que comia, quais bactérias e vírus carregava, de onde ela poderia ser e se trabalhava com agricultura.

Por exemplo, os pesquisadores conseguiram reproduzir o físico da mulher: olhos azuis, pele escura e cabelo marrom. Além da aparência, foi possível descobrir que ela carregava o vírus Epstein-Barr (membro da família dos herpesvírus) e várias cepas de vírus responsáveis pela pneumonia.

Mulher dinamarquesa do período neolítico reproduzida a partir do estudo feito no "chiclete". (Fonte: Tom Björklund)

Também conseguiram encontrar traços de comidas que poderiam ter sido ingeridas pela moça, como avelã e pato-real. Além disso, foram capazes de determinar que a mulher sofria de intolerância à lactose, que era comum na época.

Todas essas características vieram à tona partir do DNA presente nesse "chiclete" feito de alcatrão.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

Comentários

Você já percebeu que passamos por algumas mudanças por aqui, né? Uma delas é melhorar também o nosso campo de comentários - e nada melhor do que você, nosso leitor, para nos ajudar e garantir que a gente esteja no caminho certo. Substituímos temporariamente nossos comentários por uma pesquisa rápida para implementarmos mais uma melhoria. Como você acredita que nossa interação pode ser mais próxima aqui?

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER