Entrevista: Dr. Nizar Ibrahim descobriu que o espinossauro era aquático

Entrevista: Dr. Nizar Ibrahim descobriu que o espinossauro era aquático

Último Vídeo

O ramo da Paleontologia está constantemente encontrando novos fatos sobre os dinossauros, como um estudo publicado na quarta-feira passada (3) que revelou o conteúdo estomacal de um nodossauro.

Outra recente descoberta importante veio de um fóssil de Spinosaurus aegypticus (ou apenas espinossauro), considerado uma das maiores criaturas a ter habitado o nosso planeta

Encontrados em Kem Kem, no Saara Marroquino, os ossos do gigante de quase 15 metros apresentavam um nariz na parte superior do crânio e uma cauda completa muito semelhante a um remo, comprovando que ele podia habitar ambientes aquáticos e se locomover facilmente dentro deles.

(Fonte: Nizar Ibrahim - Universidade de Detroit Mercy/Reprodução)(Fonte: Nizar Ibrahim - Universidade de Detroit Mercy/Reprodução)

A novidade foi revelada por uma equipe internacional de pesquisadores liderada pelo Dr. Nizar Ibrahim, explorador e paleontólogo da Universidade de Detroit Mercy, e contou com o patrocínio da National Geographic Society.

O Mega Curioso já fez uma matéria sobre o potencial aquático do espinossauro, mas agora tivemos a oportunidade de fazer algumas perguntas ao Dr. Ibrahim e entender um pouco mais sobre a importância da descoberta para a compreensão dessas criaturas pré-históricas. Confira a entrevista abaixo.

Por que essa descoberta muda o entendimento atual da diversidade dos dinossauros?

Os cientistas pensavam que os dinossauros nunca tinham invadido o reino aquático. Agora sabemos que, pelo menos um fez isso. Portanto, isso abre um novo mundo de possibilidades ecológicas para essas criaturas.

Por que é tão difícil encontrar evidências sobre os dinossauros de habitat aquático?

Até agora, a ideia de dinossauros aquáticos não estava no radar dos pesquisadores, então podemos ter esquecido algumas adaptações potenciais de outros para a vida na água. No caso do espinossauro, tivemos a sorte de ter encontrado adaptações realmente claras e inequívocas.

(Fonte: Nizar Ibrahim - Universidade de Detroit Mercy/Reprodução)(Fonte: Nizar Ibrahim - Universidade de Detroit Mercy/Reprodução)

Por que a cauda foi considerada a adaptação aquática mais extrema já vista em um dinossauro desse porte?

Porque nenhum outro dinossauro – grande ou pequeno – tem uma cauda como essa. A estrutura do tipo barbatana é como se fosse uma raquete gigante que teria impulsionado a criatura através dos antigos sistemas fluviais.

Qual é a importância dessa descoberta para os estudos do período Cretáceo?

Essa descoberta mostra para nós que não sabemos muito sobre os animais que viveram nesse intervalo de tempo. A África, em particular, continua sendo uma parte pouco compreendida do mundo em termos de paleontologia e, claramente, esse continente renderá no futuro muitas descobertas incríveis sobre o período Cretáceo.

O que levou os paleontologistas a acreditarem, anteriormente, que o espinossauro era um dinossauro terrestre?

Nós acreditávamos que ele era como outros dinossauros predadores. Os cientistas simplesmente não tinham um fóssil completo o bastante para compreendê-lo melhor.

Se você curte paleontologia e gostou da nossa entrevista, que tal descobrir também 13 curiosidades sobre os dinossauros?

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.