Covid-19: UFES trabalha para baratear testes da doença

Covid-19: UFES trabalha para baratear testes da doença

Último Vídeo

Pesquisadores da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) têm trabalhado arduamente para desenvolver um novo modelo de testes sorológicos para detecção da Covid-19. Em entrevista para a CBN Vitória, o doutor em Biotecnologia e professor da UFES, Jairo Oliveira, afirmou que o modelo é capaz de identificar rapidamente a doença e é mais preciso que os demais testes.

A testagem em massa de habitantes é um processo importante na prevenção da pandemia do novo coronavírus, visto que permite isolar indivíduos detectados. Em Julho, o Brasil ultrapassou a marca de 1,7 milhão de casos confirmados.

Novo teste utiliza menos partículas para detecção

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

Em junho, a UFES conseguiu o apoio do Fundo de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes) para por em prática o projeto desenvolvido em laboratório. E de que forma essa nova testagem é diferente das demais? A resposta passa pelo número de partículas do organismo utilizadas na identificação do vírus.

Segundo o professor Oliveira, o teste desenvolvido pela UFES é muito parecido com os encontrados no mercado, mas precisa de um número consideravelmente menor de moléculas para apresentar eficácia. 

Comparando com um teste de gravidez, o doutor explicou que o soro utilizado no teste serve para identificar tanto os anticorpos IGG como IGM, que são produzidos em casos em que o organismo luta contra infecções agudas. Porém, ao aplicar a técnica de "espalhamento raman" — conhecida pela capacidade de observação e interpretação de dados em lentes — o teste consegue ser muito mais sensível e preciso.

Na maioria dos testes encontrados hoje em dia, precisa-se em torno de 100 anticorpos para que o resultado possa ser visto a olho nu. Já na nova versão desenvolvida pela UFES, uma única partícula conseguiria apresentar os resultados necessários para um exame eficaz.

Barateamento nos preços

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

Ao diminuir consideravelmente a quantidade de anticorpos precisos para fornecer um resultado sobre a infecção, a equipe de cientistas conseguiu outra importante conquista para a aplicação do teste no mercado: o barateamento do custeio.

Além de fornecer dados em apenas quatro minutos e ser mais sensível que os demais, o modelo custa cerca de 10% do valor de mercado do que se encontra hoje em dia. De acordo com a equipe envolvida no projeto, os exames sorológicos costumam custar entre R$ 150 e R$250, enquanto que a nova versão deve custar de R$ 13 a R$ 17.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.