Cientistas captam milhões de sinais de inteligência vindos... da Terra!

Cientistas captam milhões de sinais de inteligência vindos... da Terra!

Último Vídeo

Astrônomos da Universidade da Califórnia detectaram milhões de sinais de potencial civilização inteligente emitidos de cerca de 31 estrelas semelhantes ao Sol, através de observações realizadas com a ajuda do Telescópio Green Bank, localizado na Virgínia Ocidental, Estados Unidos. 

A pesquisa, realizada desde abril de 2018, contou com uma busca de cerca de 4 horas de duração, resultando na identificação de mais de 26 milhões das chamadas tecnoassinaturas, emissões de ondas de rádio de baixa frequência que poderiam apontar a existência de inteligência extraplanetária. As informações foram divulgadas em um artigo publicado na revista The Astrophysical Journal.

Segundo os astrônomos, a detecção das fontes surge como uma significativa contribuição para o projeto SETI (Search for Extraterestrial Intelligence), enquanto buscam encontrar, ofuscados em comprimentos de onda, sinais claros da utilização de tecnologia por parte de outras civilizações. 

“Nossa pesquisa pode detectar o Radar Planetário de Arecibo a distâncias de mais de 400 anos-luz. E pode detectar um transmissor que é até mil vezes mais poderoso do que Arecibo — uma melhoria trivial para uma civilização avançada — até o centro da galáxia”, comentou Jean-Luc Margot, autor do projeto. “O volume da galáxia que pode ser coletado com uma busca de rádio por tecnoassinaturas é imenso.”

(Fonte: Live Science / Reprodução)
(Fonte: Live Science / Reprodução)

Curiosamente, foi comprovado que a maior parte dos dados colhidos pelo telescópio são provenientes do próprio planeta Terra, que acabou levando sua radiação de radiofrequência para locais remotos do espaço através dos equipamentos eletrônicos. Felizmente, a localização surge com mais otimismo do que pessimismo, já que marca a eficácia do método na identificação dos sinais de rádio.

RFI, a grande barreira comunicativa

A próxima etapa do projeto deverá consistir na superação de uma das maiores barreiras para a compreensão de possíveis tecnossinaturas alienígenas: a RFI. Conhecida como interferência de radiofrequência, a anomalia é capaz de mascarar as dimensões das ondas e dificultar seu processamento de dados. “As RFI poderiam potencialmente ocultar um sinal extraterrestre”, disse Margot. 

No momento, os cientistas conseguem filtrar, com precisão, cerca de 99% das RFI, na tentativa de encontrar sinais de origem antropogênica, que ocorrem em oposição aos naturais. Porém, com as dezenas de milhões de frequências espalhadas, cada 1% conta na tentativa de lidar com tecnologia extraplanetária.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.